Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

cenas de gaja

02
Abr07

TPM#21

sissi
Há poucas coisas na vida que podem, verdadeiramente, ser consideradas como luxo. Eu tenho grande parte delas e possuo meios para adquirir as restantes. Um dos prazeres que já são meus prende-se com a visão do Tejo que me brinda as manhãs e as noites. Da janela do leito real abro e fecho os olhos com a certeza de que o rio vai estar sempre lá. Independentente do seu vogar e da cadência da minha vida, o Tejo molha-me os pés a cada dia que passa. Refresca-me a mente e ensina-me que as coisas objectivas são as únicas que nos trazem realidades concretas. Relembra-me que o futuro é feito de presentes e que são esses que valem a pena ser cuidados. Programar, planear, querer ver para além da linha do horizonte do Tejo é querer ser maior que a vida e encerra uma arrogância que perdi com a idade. Tal como o rio, que sei correr sempre para o mar a cada vez que olho para ele, a vida não se compadece com grandes tristezas. Tal como diria Agostinho da Silva, «prefiro não fazer grandes planos para a vida e aguardar os planos que a vida tem para mim». Sem me paralizar, é isto que urge ser feito.

0 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D