Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cenas de gaja

07
Ago06

The Hunt

sissi
Há coisas que eu, com quase 32 anos, devia ter percebido.Os lustros que a vida me deu já me permitiram entender que o sol faz sempre o mesmo trajecto, o rio caminha para o mar e as mulheres nunca se devem tornar caçadoras.

Venha quem vier, digam o que quiserem. Por mais que os homens se expliquem e afirmem com a força de um vento glaciar que gostam de ser conquistados, há um botão qualquer dentro da sua intrincada teia social que os impede de progredir relaxadamente perante a investida de uma mulher. E este facto, para a vossa princesa, é insofismável.

Anos de apurada técnica e muitas épocas de acasalamento depois, permitem-me concluir que se quero arranjar um macho para me aquecer os reais chispes, o melhor a fazer é ficar quieta e sossegada. Contrariamente a todas as teorias feministas de evolução do papel da mulher e de forma inversa à dinâmica das sociedades modernas, no que respeita à procura do parceiro, o grelame tem que ficar impávido, sereno e, de preferência, calado.

Porque se o grelame se mexe muito e agita as águas, o machame foge, em protesto pela inversão de papéis. Sim, porque, no fundo, quem somos nós para alterar a Ordem Natural das Coisas, essa lei que tem tão de empírica como de estupidamente eficaz? Porque diabos havemos nós, gajas, de roubar o feudo aos servos da gleba, habituados a cortejar a dama desde tempos imemoriais? O que procuramos nós, modernas, malucas, doidas, em reclamar para nós um contorno que não nos pertence? Simples: queremos que vocês, gajos, se mexam, de preferência antes que a menopausa nos chegue e a lei da gravidade nos atinja em cheio.

Desde que a proactividade deixou de ser um vocábulo dos livros de Gestão e se instalou na mente e quotidiano feminino, parece que o mundo ficou do avesso. Nunca como hoje, homens e mulheres se encontraram tão desencontrados. O jogo do gato e do rato é o eleito para a conquista e se antes o mundo era dos espertos, hoje ele é dos jogadores. E por isso continuamos a viver na esfera dos homens. Nós gajas, com todas as nossas especificidades, vivemos dias mais simples. Conhecemos, queremos, vamos. Os verbos masculinos são outros. Conhecemos, queremos, esperamos. E nos raros momentos em que actividade impera do lado macho, um movimento em falso do grelame deita tudo a perder.

Obviamente que entendo que há várias vontades a ser respeitadas. Que as pessoas não querem as mesmas coisas ao mesmo tempo e que isto e aquilo e yada yada. Mas deixem o Mantorras jogar!!! Se não querem cortejar, deixe-se cativar. Se não querem mexer-se, deixem-se seduzir. E se estiverem a gostar, assumam e retribuam. Ofereçam o puderem. Mas, por Zeus, guardem as conisses várias para outras batalhas. Que isto não precisa de ser guerra alguma.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D