Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cenas de gaja

23
Jul06

O Pinga-Amor

sissi
Continuando a desfolhar o catálogo dos machos, passo de um quase repelente para um quase favorito. O pinga amor. Também chamado de D.Juan, o pinga-amor é um espécime que tem um lugar especial no meu coração de princesa. Fruto de recalcamentos e medos vários, este macho tem, regra geral, bom íntimo. Qual cão de Fila, fareja o rasto da Mulher e possui o condão de transformar qualquer odor em feromona.

Laborioso, verborreico, o pinga amor é um amor. É impossível não gostar dele, não sorrir com os chistes e piadas bem metidas, com o seu sorriso matreiro carregado de boas e más intenções... Os seus dias são cheios porquanto o mundo está cheio de mulheres. Mais que gostar delas, venera-as, admira-as, estimula-as. O pinga amor pode ser o nosso melhor amigo e o nosso pior pesadelo. É difícil escapar aos encantos deste macho. Quando apenas amigo, dá-nos dicas sobre como interagir com outros da sua casta, pede-nos conselhos para melhor saber viver com o objecto de sedução do presente e chora no nosso colo se a musa inspiradora do dia decidiu não reparar na sua sombra. Chora, obviamente, até à manhã seguinte. Porque musas há muitas e os tempos não estão para grandes contemplações românticas.

Como já referi, eu gosto muito dos pinga-amores porque contribuem para que a minha vida seja mais colorida e plena de riso. Não podemos, obviamente, confiar no seu afecto como uma constante, mas enquanto olham apenas para o nosso lado, fazem de nós verdadeiros objectos de adoração e contemplação. As maiores, melhores, mais bonitas, mais elegantes, mais inteligentes. Deixamos de ter um nome e passamos a ter apenas um prefixo: Mais. Mais tudo.

E depois, um dia (há sempre um dia) que deixamos de ser as Mais e passamos a ser apenas «uns amores», «umas queridas», mas já menos amores e queridas que ontem...porque uma outra querida ou um outro amor se cruzou com o nosso pinga amor que foi fazer poesia para outras paragens. Nós ficamos desconsoladas e sensaboronas durantes umas semanas, é certo, mas continuamos sem conseguir resistir ao charme juvenil do pinga amor. Uma vez aqui, aconselho a mudança de registo. Tomem-nos como amigos, por muito dura que seja a ressaca da falta do seu estímulo e da sua atenção.

São pouco fiáveis como homens, mas muito calorosos como amigos.

Uns queridos e uns amores, no fundo...

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D