Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cenas de gaja

30
Mai06

Sex and Friendship

sissi
Harry Burns: Because no man can be friends with a woman that he finds attractive. He always wants to have sex with her.

Sally Albright: So, you're saying that a man can be friends with a woman he finds unattractive?

Harry Burns: No. You pretty much want to nail 'em too.

Sally Albright: What if THEY don't want to have sex with YOU?

Harry Burns: Doesn't matter because the sex thing is already out there so the friendship is ultimately doomed and that is the end of the story.



Das coisas que mais me orgulho destes anos de existência é das relações que tenho vindo a construir com as pessoas. Especialmente com os amigos. Da forma intensa com que lhes digo e mostro que o meu afecto por eles é verdadeiro e do que isso lhes provoca. Como disse um novel amigo, trata-se de tocar as pessoas. E é assim mesmo. Trata-se de tocar as pessoas naquilo que elas são, de as fazer sentir importantes para nós e de tudo o que isso desencadeia. Gosto de perceber que os meus amigos adoptam parte do meu registo, afectivo e intimista, porque me percebem e confiam.
Há uns tempos decidi juntar uns quantos sem razão aparente. Aparente. Porque, sem pensar, ali estavam reunidos quatro deles, cuja ausência pesa e dói em tempos de solidão londrina, que noutras alturas foram meus amantes. E digo amantes no sentido de quem ama, porque os amei e amo profundamente, talvez da forma mais bonita que conheço. Apesar do que nos une ser comum, gosto de cada um deles de formas diferentes e por razões díspares. Quando terminou a relação física, ficou a mesma cumplicidade e confluência, o mesmo amor, no fundo, a mesma amizade. Foi, enquanto durou, a relação perfeita. Havia romantismo, sexo, partilha, identificação. E não falo dos fuck buddies, coisa que nunca me agradou. O que gostei sempre foi de ter amigos com quem estava sempre que nos apetecia ir ao cinema, ou ao teatro ou passar a noite a foder. Ou isto tudo e mais, ou nada isto e outra coisa qualquer. Mas a matriz mantinha-se. O gosto pela companhia, pela presença e a tesão sexual. Homens e mulheres podem ser amigos e foder. Aliás, homens e mulheres não deveriam foder sem esta escora. Apenas porque, para mim, me sabe menos bem. Sabe a sopa ensonsa, a pasta sem pesto, a bife sem ovo estrelado.

E depois, como em tudo na vida, as coisas evoluem. No meu caso, porque cada um deles encontrou alguém com quem viver o terceiro vértice das relações. Depois da amizade e do sexo, vem o compromisso. Que nós tínhamos. Mas era o comprometimento de não sermos comprometidos. E quando começamos a querer que as lautas refeições passem a gourmet, um dia apaixonamo-nos e assumimos com alguém o mesmo que tínhamos com os nossos amigos mas soprando um pouco mais de vida ao já de si muito bom.
E aí deixamo-nos ir. Continuamos a olhar com carinho e ternura os amigos outrora amantes, a sorrir a uma palavra que nos junta, momentaneamente, nas memórias e a viver com eles outra fase da amizade.

Se homens e mulheres podem ter sexo e ser amigos? Sempre.

10 comentários

Comentar post

Pág. 1/7

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D