Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cenas de gaja

09
Mai06

A Net é uma coisa bonita...

sissi
Da minha boquinha santa nunca sairão frases tão profanas como «o que conta é o interior». Porém, quanto mais o tempo passa e as minha vida se enriquece de experiências às quais me dedico com inominável fervor, mais se desenvolve em mim a ideia que o chamado «interior» é o que nos distingue uns dos outros enquanto pessoas e é, quanto a mim, o que faz despoletar o meu interesse ou desinteresse pela caça.

Claro que agora de repente até parecia que La Palisse estava entre nós na sua enorme ubiquidade que o obriga a estar em vários quadrantes, mas dei por mim a pensar nisto enquanto me questionava com igual força sobre porque razão uns mails trocados com alguém que não conheço me fazem ruborescer de desejo e empurram para os braços, sempre abertos e disponíveis, do meu vibrador?

Estava eu no Palácio Real, na varanda, a roubar os últimos raios de sol do dia, quando irrompe pelo meu mail missiva de novo macho. «Olaré! Que é isto», pensei, enquanto a net teimava em preguiçar, «não conheço este mail»... Era um rapazola que tinha vindo aqui e gostava de trocar umas ideias comigo sobre alguns temas. Como sabem, meus caros, eu sou uma Princesa solícita. Não resisto a apelo bem escrito e inteligente. Além disso, ainda não desisti de ser a Dr. Ruth portuguesa, mas em bom, claro, e rapidamente acedi em responder às questões colocadas, tudo em prol do bom nome deste Reino, obviamente.

A coisa desenvolveu-se. Os mails sucediam-se. Já me sentia a Meg Ryan no «You've Got Mail», mas com um corte de cabelo melhor, e de cada vez que a janela de pop up do hotmail saltava inopinadamente do canto do meu ecrã, eu sentia um frisson booommmm que começava a percorrer-me os estreitos... Mais do que o que estava dito, era o não dito que me agradava. O jogo, que começou por ser de palavras, passou para intenções e quase resvalava para a promessa do «melhor sexo da tua vida», não fosse a frase ser foleira e encerrar em si mesma um ónus da prova que não queria reclamar para mim.

O que é engraçado nestes mails é que aqui ninguém está preocupado com a sua condição, seja ela qual for. A net é um bicho perverso. Tem um lado libertador, que permite criar personas e soltar fantastmas, e, paradoxalmente, prender-nos a eles. Chama-se a isto morrer da cura...porque desabituar o corpo e o espírito desta dose diária de comoção é difícil e nunca é desejável. Quem é que quer viver sempre, a todas as horas do dia, em todos os dias do ano, e todos os anos da sua vida, o seu próprio Eu? Arrisco-me a dizer ninguém...por isso nunca somos só isto ou aquilo. Somos uma série de coisas diferentes em situações diferentes, com uma matriz comum, é certo, mas com contornos diferentes sempre.

Os mails que troquei tinham essa finalidade. É um jogo perigoso. Mas quando bem jogado, é das melhores sensações que conheço. É ter sexo sem o toque, é achar o Ponto G sem nunca nos termos despido, é despirmo-nos sem nunca tiramos a roupa.

Let the Games begin...
(said the princess, with a smile full of lust...)

20 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D