Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cenas de gaja

19
Set05

O Beijo

sissi
Arriscando-me, como diz um amigo, a tornar-me na nova revelação da escrita porno, com direito a apresentação do livro no Bar 25 do Rossio, hoje apeteceu-me escrever sobre o beijo. Ou sobre a falta dele no contexto sexual (where else!!??).
Vem isto a propósito de uma recente investida sexual a macho alheio. Daquelas situações onde já se bebeu umas e fumou outras, e as feromonas já se confundem com os canabinóides, e a vontade emerge como se não houvesse amanhã. Enfim, to make a long story short, a coisa deu-se. E eu dei-me mal. Como faço poucos juízos de valor sobre as pessoas e as situações (pelo menos tento...), não tenho pejo nenhum nem há nada que me impeça de sair de situações de cama quando, depois de devidamente avisado e direccionado, o parceiro insiste em não distinguir a direita da esquerda. Vai daí, estava eu no meu ritual de iniciação pré-coital, quando percebo que o efebo não fazia intenções de alinhar no must sexual de sempre: o beijo.
O beijo é, para mim, o maior turn on da história sexual. Da minha, claro. Oscular devidamente pode ser tão bom quanto um orgasmo e é, certamento, a melhor forma de o entabular. Forte, profundo, escorreito, é remédio para qualquer maleita. Acontece porém, que quando o ritual coital se inicia, a maioria dos homens tende a obliterar esse elemento, como se a água, o ar ou o fogo pudessem ser retirados, sem mais, à conjunção de tantos outros factores. Retirar o beijo é esquecer a construção sexual. É alinhar pela manutenção do acto apenas como acto em si sem qualquer pundonor. Faz com que nos sintamos fora do lugar e fora do momento.
Mau, mau, é quando percebemos que o parceiro o faz porque não se quer dar ao trabalho, por puro torpor, madraço de merda que acha que é só abrir a perninha e já está. E então, cobardemente, enfiam a cabeça na almofada enquanto nos penetram ao ritmo do seu próprio desejo, transformando um pas-de-deux num triste e desafinado solo.
Julgo que foi para contextos como este que a expressão «Sai de cima mim» foi criada...Tal como, de resto, a porta da rua foi feita para sair...

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D