Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cenas de gaja

08
Set05

Exercícios de sub-texto

sissi
Tenho a perfeita noção de que quanto mais vivemos mais aprendemos a viver. Mais nos aperfeiçoamos, sobretudo naquilo que queremos deixar, mais nos habituamos às pechas do quotidiano, às marcas de água e beijinhos no ar, estamos mais atentos, com tudo o que isso implica, e, no limite, já sopramos vida à nossa quietude e paz interior.
Inspirada pelo post desta senhora e nas horas perdidas à conversa com as várias pessoas com quem já me cruzei, dei por mim a pensar na forma como a definião de «relação» tem mudado para mim ao longo do tempo. Se o quadrado da hipotenusa é igual à soma do quadrado dos catetos, então já muita àgua passou debaixo da minha ponte. Facto é, que hoje em dia, me vejo numa moldura diametralmente oposta à que sempre aprendi a conhecer.
Não sei se por ser curiosa, se por estar estruturado em mim, dou-me conta que a dimensão empírica das coisas tem vindo a tomar uma importância paquidérmica na minha compreensão do mundo e do que me rodeia. Construída pelos afectos, sou cada vez mais isso mesmo. E é talvez essa a razão porque me vejo num tipo de relação em que os conceitos de traição, fidelidade e amor estão muito mais ligados ao respeito e cuidado que a outra pessoa, enquanto pessoa, nutrir por mim, do que por qualquer escapadela sexual que a mesma decida fazer no decurso do mesmo relacionamento.
Amor e sexo são, para mim, coisas diferentes. Nunca me aconteceu amar uma pessoa com a qual o sexo não fosse prazenteiro. De resto, só amei uma pessoa... Mas suponho que isso seja meio trágico. O que me impede de amar uma pessoa e fantasiar com outra? O preconceito. Como se no momento em que nos apaixonamos o Outro deixasse de existir como entidade corporea e nós nos esquecessemos que um dia já tivemos o desejo como estímulo fundamental. Não estou divorciada das relações. Mas tenho como cada vez mais certo que o seu conceito, em mim, tem mudado. Por isso procuro alguém que entenda que, passado o fogo preso inicial, há que baralhar e dar de novo. A normalidade serve apenas um intuito: o de nos sentirmos integrados. O que não significa que nos sintamos bem.

16 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D