Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cenas de gaja

24
Ago05

A Secretária

sissi
Ontem decidi vasculhar por entre as centenas de DVD´s que possuo, na esperança de encontrar um que ainda não tivesse visto, quando dou de caras com uma relíquia, ainda embrulhada, da qual me tinha completamente esquecido. A película chama-se «A Secretária» e nela figuram, apenas, dois dos meus actores favoritos, James Spader e Maggie Gyllenhall.
Quando terminei de o ver, questionei-me vezes sem conta porque me teria passado da memória semelhante pérola. O James Spader, injustamente ignorado pelo monstro de Hollywood, é dos tipos mais transparentes que já vi representar, de quem Sexo, Mentiras e Vídeo e Crash são exemplos de maior visibilidade. Quanto à Maggie, sem actuações dignas de registo, gosto dela porque tem uma beleza simples e serena, e me enternece o meneio elegante e olhar forte. Prefiro-a mil vezes a uma Zeta-Jones, bonita, mas sem luz interior.
A história da Secretária não tem nada de simples. James Spader é um advogado cujo único senão aparente é não conseguir manter uma secretária por muito tempo. Maggie Gyllenhall é uma mulher nos 20's, acabada de sair de uma clínica por histórico de auto-mutilação, no limiar entre o normal e o fora do mundo, que é recrutada por Spader para nova ajudante.
«You work is very dull. You just have to type and answer the phone. Type and answer the phone» - diz ele
«That´s ok. I like dull. Dull is nice» - responde ela
Estas são as premissas de uma relação que a olho nú pode parecer uma comédia, mas não é. A meio da história, percebe-se que também Spader se auto-mutila, ou auto-mutilou (fica a dúvida), nascendo daí aquilo que os ligará definitivamente. Ambos são compulsivos nos gestos, obsessivos nas ideias e obstinados nas atitudes. Uma gralha dada por Maggie ao escrever uma carta, principia um ritual com contornos sado-maso. Maggie torna-se submissa de Spader. Não têm sexo (à excepção de uma palmadita ou outra...), mas ele diz-lhe todos os dias o que comer, o que vestir, como falar, como trabalhar. E Maggie adora.
A história tem reviravoltas interessantes mas esta é a punch line da minha questão. A nós, mulheres solteiras e, soit disent, independentes, faz-nos uma confusão terrível pensar que há outras que se sujeitam e subetem a coisas que não nos passariam pela cabeça. Certo é que há pessoas que não sabem viver de outra maneira. Que precisam de orientação e regras como do pão pá boca, as quais, facilmente, descambam em premissas de sumbissão pura. Sexual ou não sexual.
No meu caso, a submissão tem piada no contexto sexual durante dez minutitos. Mas só é assim porque não é meu, porque não tenho que conviver com isso, porque é uma excepção a uma regra que nunca terei. E apesar de achar que na esfera pública todos no submetemos a qualquer coisa, mais que não seja à estupidez do chefe, em privado a submissão está demasiado perto da humilhação para que possa ser sempre uma coisa divertida.

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D