Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cenas de gaja

06
Ago07

Miminhos e Maluqueiras

sissi

O mais recente estudo sobre a vida sexual portuguesa deixa-me com a pulga atrás da orelha. Diz que os homens querem miminhos e as mulheres, doidas!, querem sexo todos os dias. E é apresentado com honras e destaque noticioso. Ora bem, estes holofotes a mim incomodam-me. Porque parece que os homens foram, até aqui, umas pedras da calçada, meliantes sem coração, e as mulheres umas tontas, anémonas sem vontade, que se vergavam ao desejo masculino.

 

Obviamente que casos destes os havia por aí e ainda há, mas estes estudos preocupam-me sempre porque não assentam em mais nada que uma cruz colocada num quadrado. E o contexto dessa resposta? E a forma como a pergunta foi colocada? E qual a faixa etária dos inquiridos? E as restantes premissas?

 

O que me incomoda é que estas percepções da realidade FAZEM a realidade, constroem um quadro a duas cores e orientam-nos nesse arco-iris sem tom.

 

Enfim. Vivemos no tempo das carneiradas. Mais um bocadinho e regulam o tempo correcto para cada broche...apre!

02
Ago07

Portuguese do it better ou É disto que o meu povo gosta!!!

sissi

O fim da jorna trouxe o fim de dia na esplanada, em plena Praça da República em Viana do Castelo. A temperatura é invulgarmente quente para o «meridiano» que atravessa a cidade e Sissi espraia o seu charme enquanto beberica o melhor sumo de laranja natural do mundo. Ao seu lado, vindas sabe-se lá de onde, duas turistas bagpackers aterram no burgo, incautas quanto ao que as espera por estas paragens.

 

Acto contínuo, e ainda mal tinham respirado fundo depois de quilómetros de passadas, eis que o mais fino exemplar do sabujo castelino as aborda, entabulando a seguinte conversa, em mau inglês. Ou «portunhês».

 

Sabujo - Hello, sit down? - apontando para a única cadeira livre

Bagpacker 1 - (atónita mas sem coragem para dizer que não) Yes...

S- So, my name is Sabujo? You

B1 - Hello, I´m Bagpacker 1

B2 - Hi, I´m Bagpacker 2

S - So, where you come from? Switzerland?

B1 - Não, we´re travelling around Europe. Just came from Spain

S- So, Spain? Motherfuckers! (gritando)

 

(silêncio pesado)

 

S - So, you came alones?

B1 - No, we came together.

S- So, are you boyfriend and girfiend?

B1 - No, we´re single.

 

(silêncio pesado)

 

S- So, but are you...you know...(fazendo aquele sinal universal que junta os dois dedos indicadores e afasta e junta duas vezes)

B1 - Oh, no, no way, we´re cousins! (rindo)

 

(silêncio menos pesado)

 

S - So, do you want to go to my house? - apontando para uma das casas na praça

B1 - Sorry, I don´t think I´m following you.

S- Yes, follow me to my house. Sex. Nós os três - fazendo o sinal universal que aponta cada um dos membros na mesa em circunfrência.

B1- Ok

B2 - OK

 

 

ESTE HOMEM É UM SENHOR! AVÉ!

 

Em menos de cinco minutos de conversa, ali mesmo no meio da praça, onde as crianças brincam e correm, as famílias conversam e as andorinhas fizeram o ninho, este homem, trajado apenas de calções, chapéu à cowboy e uns óculos escuros tipo Michael Knight, sacou duas turistas, provavelmente ávidas de um box sexo sabujeiro à La Camarinha, ao fim de menos de cinco minutos de conversa. Extraordinário! A sorte protege os audazes!!!

 

01
Ago07

Fodas Cegas

sissi

Os dias apressados relegaram a calma. As noites cansadas obnubilaram a vontade. As fodas esqueceram a cadência. O novel desejo matou o erotismo. O sexo moderno é cego, surgo e mudo porque não contempla a faceta erótica como catalizadora de um acto que é tudo menos mecânico.

 

Muitas fodas depois, pergunto-me porque razão me é cada vez mais difícil ficar satisfeita.  O que me terá feito sair a meio das últimas duas ocasiões, depois de dadas as indicações e sinais sonoros. «Espera, vou mostrar-te onde é» soa a ofensa aos ouvidos sensíveis de alguns homens. Como se com isto não estivéssemos a contribuir para o bem comum, meu e dele. Não. Reparo, com desprazer, que há homens que estão cada vez mais cheios de si mesmos, que não aceitam indicações nem toleram opiniões.

 

O mais engraçado é que depois, quais anjinhos barrocos, ainda atiram um «mas tu não estás molhada» como se humidade nascesse por combustão espontanêa,. Questionando, retiram-se desse processo com pouco garbo e gentileza. Onde ficam os beijos no meio disto tudo? A curiosidade em descobrir o corpo do outro? Em tocar levemente para permitir sentir? No fundo, onde caralho ficou o erotismo? Claro que se depois de dadas instruções o parceiro insiste em navegar pela faixa da esquerda a quarenta à hora, não me resta senão levantar-me, agradecer i ir-me embora. Já lá vão dois, só nos últimos tempos.

 

E se me perguntarem não receio explicar que em vez de fodas cegas prefiro preliminares de olhos abertos, que opto sempre por um toque intenso a um beijo mal dado e que os meus neurónios ainda lembram o 9 Semanas e Meia com carinho.

 

 

Pág. 2/2

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D