Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cenas de gaja

21
Jul10

Fufedo ou talvez não

sissi

Não há nada melhor, quando a canícula nos entra pelo escritório adentro e o corpo pede que nos estiremos na cadeira e pensemos o menos possível, que observar as fotos das vidas dos outros, nesse antro maior de engate e de foda que é o Facebook. Ele é as poses na praia, os amores de Verão e de Inverno, os cães, as amigas e os amigos, «esta foi em Kuala Limpur», «aqui sou eu a divertir-me imenso na noite», «na praia, com o amor da minha vida». Mas as imagens que verdadeiramente me fascinam, as que me fazem endireitar na cadeira, são as que o grelame insiste colocar em poses que intuem uma (bi)sexualidade por apurar. Depois de aturado e demorado estudo, descobri que há uma tendência enorme para o auto-retrato, de língua de fora, com um olhar, meio vazio, mas que diz «sou sexy e sei disso». Não raras vezes, o grelame aparece acoplado a mais grelame, assim com as maminhas encostadas umas às outras e, claro, língua de fora, viradinha para a língua da amiga. Ora bem, nada contra. Algumas são até bem jeitosas, embora o género não me caia especialmente no palato.

 

No entanto, cogito sobre esta novel ordem, que encaixa pré-adolescentes e balzaquianas na mesma cerca, em que comer pipis se tornou arma de arremesso para o lado de lá de uma barricada, onde existem efebos e pré-andropáusicos, ávidos de uma excitação fora da rotina. Eu entendo a raiz da coisa. É tão fácil chamar a atenção desta forma que até parece mal não o fazer. Afinal de contas, é só juntar os corpos, fingir um beijo mal parido, acrescentar curiosidade natural, tirar uma foto e colocar na moldura do mundo. Já está. Tão fácil quanto juntar água, é igualmente simples receber interesse, venha ele de onde vier.

 

É claro que sei exactamente do que falo. Como sei que não pode ser bom para as cabeças em formação este innuendo social que nos enfraquece como mulheres, nos ridiculariza e nos deixa exactamente no lugar onde estamos agora: somos mais mulheres quanto mais nos assemelharmos aos homens.

 

Pergunto-me ainda quantas dessas mulheres auto-retratadas conhece o impacto que pode gerar o momento em que estamos fisicamente com alguém do mesmo sexo? A confusão que, potencialmente, se instala quando um corpo similar se encosta, verdadeiramente ao nosso? Comer pipi alheio pode ser um tudo-nada ou um nada que confunde tudo. E não há preservativos mentais que impeçam esta confusão. A não ser pensar um bocadinho.

17 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Arquivo

  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2009
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2008
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2007
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2006
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2005
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2004
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D