Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2005
No outro dia fui a uma casamento onde era a única solteira
A feliz notícia já me tinha chegado via noiva alguns dias antes, motivo mais do que justificado para inventar um súbito Panariço ou mesmo uns quantos Bicos de Papagaio. Mas para além da celulite e camadas adiposas, a idade tem-me trazido também um constragimento estranho na mentira. Estranho porque quando era uma chavala mentia aos meus pais a todas as horas do dia para que pudesse acudir às urgências com que a minha vida adolescente me atormentava a existência. Hoje em dia, tenho este handicap dermatológico, a que se convencionou chamar de «corar», que me aparece na cútis a cada peta que mando. Deixei-me disso. Tergiverso.
Estava eu a dizer que fui a um casamento onde, nem os noivos, mesmo antes de casar, eram solteiros (este blog é tão bom, tão bom, que até tem charadas...). Qual Lince da Malcata, era a única espécie em vias de extinção a quem o anelinho não brilhava no dedo. O que até é normal. Casar diz-me zero e só o faria para dar a alegria extrema à minha mãe de poder estar no altar de capeline e tailleur Chanel. Nunca sonhei com isso, nem quando era pequena e as bonecas que nos davam vinham kitadas com os outfits de boda. Aos 15 anos, mais depressa fantasiava com a ideia de que iria mudar o mundo, do que partilhava das conversas das amigas de colégio quanto ao aspecto do vestido de noiva.
Ora devem imaginar a minha estranheza ao dar por mim a chorar (pronto, a soluçar), quando o Avé Maria entra a par da minha amiga, vestida de noiva linda, mais feliz do que nunca. Mais tarde, percebi que o que me emociona não é o vestido, nem a boda. É a felicidade. Tergiverso. Outra vez.
Vieram os «comes». Onde sentar a única gaja solteira da festa? Na mesa dos putos, pois claro. E onde estava localizada a mesa dos putos? Na ponta da sala. Depois de me entumescer a narina umas quantas vezes, decidi cagar e aproveitar. Os miúdos são engraçados. No fim, já competiam pelo colo da Tia tanto quanto eu reclamava o carinho deles. Teria dispensado, no entanto, que uma gaja vestida de palhaça tivesse estado toda a santa noite a insistir para me pintar a cara de borboleta, tal como tinha feito às crianças...Tive que lhe explicar que, apesar de na maioria das vezes só dizer merda, já conto cá com trinta no buxo e que, como tal, a minha noção do ridículo diminuía ao mesmo ritmo que aumentava a minha falta de pachorra para palhaços...
Maneiras que foi assim.


publicado por sissi às 23:14 | link do post | adicionar aos favoritos

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge