Terça-feira, 21 de Novembro de 2006
Singles
Se pudesse dar um cognome a Lisboa, e dentre todos os atributos que a cidade encerra, há um epíteto que me vem logo à cabeça: casada.

Ao contrário de Londres, onde se vive com a liberdade que só as grandes metrópoles permitem, Lisboa, qual casulo de bicho-da-seda, está pejada de casais. De volta ao burgo, reparo que homens e mulheres encontram nessa finisterra de entendimento substrato e adubo para a sua própria vivência.

Parece que o celibato está fora de moda. Parece mesmo que ser-se solteiro em Lisboa é como pertencer a um grupo separatista, verdadeiros braços armados da revolução conjugal. De outra forma não se entende a necessidade de acasalar por acasalar e, uma vez aí chegados, não rumar a Sul quando o Inverno chega.

Os casais dominam a cena social. Como se o número dois fosse mais apelativo que o um e os ímpios solteiros fossem menos dignos de luz que os outros. O tempo dos amigos altera-se a partir do momento em que um significant other invade as suas vidas e os convites para jantar lá em casa passam a ser beneplácito do socialmente aceite. Afinal de contas, quem é que vai querer ser confrontado com a aparente liberdade de um homem solteiro? Ou com a suposta leveza de vida de uma celibatária que é, verdadeiramente dona do seu tempo?

Não se trata aqui de apregoar uma ou outra condição. Cada um com a sua. Mas o apagamento da reflexão e escolha individual, verdadeira fonte de evolução humana, em detrimento de uma vivência que apenas permite a escolha em casal é, ironicamente, o principal factor de ruína dessa instituição. Pensar EM conjunto será sempre diferente de pensar PARA o conjunto.

Vidas.

publicado por sissi às 12:18 | link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De Abigail a 24 de Janeiro de 2007 às 10:54
Readed

Know most of the rooms of thy native country before thou goest over the threshold thereof


De Mário a 24 de Janeiro de 2007 às 05:55
O casamento é a união de um homem e uma mulher inseguros, que procuram na exclusividade constituida refugio para a falta de imaginação.
Marinho Guzman- Brasil


De Regi a 22 de Novembro de 2006 às 20:43
Owner of a lonely heart,is much better than owner of a broken heart..
Bjos


De Fragmentada a 22 de Novembro de 2006 às 21:15
Perdoem-me se faço comentário descontextualizado ou que não se refere às intenções com os post's anteriores foram escritos mas, para mim, falar acerca da outra metade da laranja implica esperar ou procurar por alguém que nos completa e nos faz feliz. Pessoalmente, acho que a pessoa que me faz feliz sou eu mesma. Colocar todo este peso e expectativas numa relação é meio caminho andado para o fracasso. As relações são boas, ser parte de um casal também. Mas não é tudo. E ninguém pode ser parte de um casal feliz se, logo à partida não se sente bem na sua pele.


De brites a 22 de Novembro de 2006 às 20:03
Obrigada, Framboesa, não fazia ideia. Soa muito bem... :)


De 13@ a 22 de Novembro de 2006 às 19:18
Ratinho, como tudo haverá quem goste e haverá quem não goste..
Agora vou-me ausentar para ir apanhar uma carga de nervos com o meu Sporting!
Fiquem bem e não se esqueçam de lutar pela Paz!!!


De Framboesa a 22 de Novembro de 2006 às 18:26
informação: media naranja é cara metade em español! Besos


De Conde De Ratão a 22 de Novembro de 2006 às 18:29
Meus caros, a paz parte do interior de cada um de nós, é tão simples quanto isso.
13@,
Sua atrevida :)
Mas vamos lá trabalhar para o orgasmo global, causa tão nobre... mas já agora podiamos prolongar o acto, dia 23, 24, 25... e por aí em diante! Paz, paz, paz, no mundo claro :P


De 13@ a 22 de Novembro de 2006 às 19:06
Conde De Ratão, nobre é o facto de te teres disponibilizado para tantos dias..lol, eu sabia que podia contar contigo.
Já estou como a Observadora..Lutaremos até que a "voz" nos doa...isto se os "rinzes" não doerem primeiro...
It´s You...acho que a luta pela paz pode ser a 2 mas também pode ser uma coisa individual, o que é importante é que o propósito seja atingido.. ;-)


De Conde De Ratão a 22 de Novembro de 2006 às 19:15
Este paz, paz, paz não soa lá muito bem.. ups
Mas por falar nisso, as mulheres gostam de levar palmadas no rabo no durante o acto? Ainda não percebi se sim ou se não!
A mim não me dá prazer nenhum em dar sapatadas no rabo, mas isso sou eu..


Comentar post

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge