Quinta-feira, 17 de Agosto de 2006
Os Putos
Se as relações humanas fossem como a Bolsa de Valores, o cliché mulher mais velha/homem mais novo estaria em alta, a bater máximos históricos.
As histórias de balzaquianas dispostas a ceder o seu tempo e leito a efebos audazes são mais que muitas, suficientes para deixar a faixa etária correspondente a cofiar a barba de preocupação...

Obviamente não são histórias de amor as que ouço. Ou as que vivo...São caminhos da mais pura e nobre luxúria, valor claramente em queda na Bolsa de Valores sociais, e que vem ao encontro da noção vigente de liberdade sexual reconhecida, primordialmente, por mulheres acima dos 30.

Como me incluo no padrão demográfico citado, falo aqui em nome próprio. Pelo dossel real já passaram duas criaturas excepcionalmente talentosas. A sua magia não nasce do óbvio, embora reconheça facilmente que com as directrizes certas se tornam amantes exemplares. Refiro-me antes à forma terna e segura com que nos fazem acreditar que não importa que o nosso corpo já não seja milimetricamente perfeito, ou que o peito já acuse gravidade, ao contrário das miúdas da idade deles, ou ainda de como se esforçam (aqui mal...) por escamotear um orgulho viril ao presentear-nos, na sua bandeja platinada, o enésimo orgasmo da noite. Toca-me ainda a insegurança que manifestam amiúde perante as nossas outras vidas, longe do prazer que nos provocam. Faz-me sorrir a forma doce com que retiram importância ao facto imutável, e muitas vezes brutal, da decálage de datas de nascimento.

São puros estes miúdos, ainda que rodados. Viajam com pouca bagagem e os seus gestos têm a liberdade que só a noção da vida pela frente pode provocar. Apesar de poderem ser uns sacaninhas com as catraias da idade deles, que ainda mascam pastilha elástica de boca aberta e cujo corpo ainda mal se assemelha ao de uma mulher, connosco existe uma espécie de quase reverência. Agradecem-nos porque os fazemos sentir homens, porque lhe apuramos o sentimento macho e os ensinamos na nobre arte de agradar a uma mulher. Agradecemos-lhe o prazer e a intensidade, e sobretudo a importância que adquirimos naqueles momentos, onde só nós interessamos. É uma troca perfeita e justa, intensificada pelo final à vista.

Se ao menos outras coisas fossem assim tão simples...



PS: dedicado à minha Beckx, que sabe melhor que ninguém do que estou a falar...

publicado por sissi às 10:55 | link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De St. J. a 18 de Agosto de 2006 às 16:24
Sissi,
Se fosse mera apreciação estética, nem teria comentado. Objectivamente, é apenas um relato seu. Sobre luxuria. Lê-se. Ponto.
Mas o ângulo mais pessoal muda tudo. «Não são histórias de amor» as que ouve. Ou «as que vive...» Li isto? Gosto de coisas com boa onda. Pessoalmente gosto de mais. E costumo pedir mais.
Mas o que não gosto - foi isso que escrevi - é reconhecer que já li prosas suas mais positivas. Estimo-a, como sabe, e evitaria de bom grado tê-lo dito.
Sumo: deixando de lado a estética e a luxúria «simpática» (quem não gosta de presenças novas e frescas?) é só uma questão de vivência positiva que, me parece, falta na sua prosa.
Posso estar rotundamente errado. Mas fui sincero.
Seu,
James, St.


De sissi a 18 de Agosto de 2006 às 16:36
Estimado Santinho,
não é porque não falo de amor que as experiências são menos boas. Adorei e guardo todos os momentos que passei com as minhas crianças, e mais que venham! O amor não cabia neste contexto porque não teve que ser, porque não era disso que se tratava. Porém, lá positivas e boas foram eles... :-)
cumps sentidos


De St. J. a 18 de Agosto de 2006 às 17:38
O tom...a Boa Onda...o tal tonzinho! Foi só o tom, minha cara. Aliás, estava lá, com todas as letras, o meu «Borrife-se!»
Tão Querida Princesa, Faça Vª Exª o Favor de Ser Feliz.
A Virtude está no Fogo-de-Artifício! Seja Linda. Numa Princesa, é um dever.
Xxxtantos+1Xi-Coeur


De Caixa de Pandora a 18 de Agosto de 2006 às 19:58
Vª Alteza,
É a primeira vez que sou presenteado com a visão do seu blog e o seu primeiro texto não pôde deixar de me interessar.
Admiro o seu pragmatismo no que diz respeito ao amor.
Há coisas que são muito mais interessantes quando não as complicamos.
Vou continuar a seguir os seus textos com atençao.
Respeitosamente...


De Leão da Lezíria a 17 de Agosto de 2006 às 15:11
Admirável Sissi, eis que nos presenteia com a ancestral dicotomia do jovem e inexperiente vs o maduro e sábio...

Por mim, faço do lema de vida o povérbio "Mais vale rica e gira, que pobre e feia"...


De TheSameOldSong a 17 de Agosto de 2006 às 15:19
Princesa,
Tant qu'elle y aurá de pisse!
Também pode ser acompanhado à guitarra: «Parecem bandos de pardais à solta...»
O fundamental é que não haja ressaca. Como diz, se ao menos fosse sempre tudo tão simples...
Não quer dizer que o «futuro» terá de ser inevitavelmente uma tragédia. Uma das minhas mais interessantes amigas continua dentro do mesmo registo há décadas e é hoje uma assumida velha gaiteira (com uns gratos 62 anos, e boa fumadora de charuto), feliz, sem traumas, nem ressacas. Cada caso é um caso.
Cumps de quem também não a merece...


De BBW a 17 de Agosto de 2006 às 15:39
Cofiar a barba de preocupação? Náááá.
O inverso também sucede.
Preferem degustar (e ser degustadas como) um bom sorvete com chapelinhos e tudo, a um qualquer Cornetto "comprado" na esquina e sorvido em 5 minutos.
Às vezes o difícil é fazê-las deixar de mastigar de boca aberta (hehehe).

;-)

@-,-'-,-'--


De Mada a 17 de Agosto de 2006 às 22:51
Truz, truz, truz!
Boa noite! É aqui que está a decorrer a reunião das balzaquianas anónimas? :-)


De Grands a 17 de Agosto de 2006 às 23:02
Nós avós, também temos direito ao amor dos netos e bisnetos. Tratamos os pequenos com grande devoção. :-)


De pandora a 21 de Agosto de 2006 às 19:11
de vez em quando visito o seu palácio... gosto da sua energia! ainda por cima, estimo muito uma sua amiga. E desta, pq me toca tão perto tenho que lhe deixar um comentário: tb não é que não tenham traumas e manias, como disse a River, mas sabe, tenho um miudo grande (32) há já 5 anos que não trocaria por nenhum daqueles que fazem parte da minha geração. Ensinei-lhe algumas coisas, mas aprendi tanto com ele!
Digo-lhe mesmo, os homens que eu conheço e que são da minha geração pararam no tempo (como o meu ex), as mulheres viveram, cresceram (tb para baixo e para os lados, pq não dizê-lo!?), aprenderam, alargaram horizontes e são gente feliz que se respeita a si mesma e aos outros. E que além de se permitirem a luxúria e o luxo de investir numa relação quando muito bem entendem, amam como ninguém.
Não serão todas, mas há muitas como eu... de qualquer modo, entendi o tom, e até gostei!


Comentar post

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge