Domingo, 23 de Julho de 2006
O Pinga-Amor
Continuando a desfolhar o catálogo dos machos, passo de um quase repelente para um quase favorito. O pinga amor. Também chamado de D.Juan, o pinga-amor é um espécime que tem um lugar especial no meu coração de princesa. Fruto de recalcamentos e medos vários, este macho tem, regra geral, bom íntimo. Qual cão de Fila, fareja o rasto da Mulher e possui o condão de transformar qualquer odor em feromona.

Laborioso, verborreico, o pinga amor é um amor. É impossível não gostar dele, não sorrir com os chistes e piadas bem metidas, com o seu sorriso matreiro carregado de boas e más intenções... Os seus dias são cheios porquanto o mundo está cheio de mulheres. Mais que gostar delas, venera-as, admira-as, estimula-as. O pinga amor pode ser o nosso melhor amigo e o nosso pior pesadelo. É difícil escapar aos encantos deste macho. Quando apenas amigo, dá-nos dicas sobre como interagir com outros da sua casta, pede-nos conselhos para melhor saber viver com o objecto de sedução do presente e chora no nosso colo se a musa inspiradora do dia decidiu não reparar na sua sombra. Chora, obviamente, até à manhã seguinte. Porque musas há muitas e os tempos não estão para grandes contemplações românticas.

Como já referi, eu gosto muito dos pinga-amores porque contribuem para que a minha vida seja mais colorida e plena de riso. Não podemos, obviamente, confiar no seu afecto como uma constante, mas enquanto olham apenas para o nosso lado, fazem de nós verdadeiros objectos de adoração e contemplação. As maiores, melhores, mais bonitas, mais elegantes, mais inteligentes. Deixamos de ter um nome e passamos a ter apenas um prefixo: Mais. Mais tudo.

E depois, um dia (há sempre um dia) que deixamos de ser as Mais e passamos a ser apenas «uns amores», «umas queridas», mas já menos amores e queridas que ontem...porque uma outra querida ou um outro amor se cruzou com o nosso pinga amor que foi fazer poesia para outras paragens. Nós ficamos desconsoladas e sensaboronas durantes umas semanas, é certo, mas continuamos sem conseguir resistir ao charme juvenil do pinga amor. Uma vez aqui, aconselho a mudança de registo. Tomem-nos como amigos, por muito dura que seja a ressaca da falta do seu estímulo e da sua atenção.

São pouco fiáveis como homens, mas muito calorosos como amigos.

Uns queridos e uns amores, no fundo...

publicado por sissi às 20:41 | link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De sissi a 24 de Julho de 2006 às 06:07
Estimado J.
Obrigada por se ter dadao ao trabalho de fazer essa análise...náo é uma pergunta à qual lhe saiba lhe responder, mas essa questão poderá fazer alguma sentido. Não sou pessoa de meios termos. Embora me esforce em algumas situações.
Cumps


De sissi a 29 de Julho de 2006 às 11:31
Estimado Frederico,
não trato os pinga-amor com desprezo algum. Pois se até lhes dediquei um post...além disso, tenho 3 grandes amigos dessa casta. Quando digo que lhes acho piada não o sinto no sentido literal. Quando acho piada a alguém, sinto-me curiosa a seu respeito, intrigada, e isso é, normalmente, uma coisa boa, como é o caso vertente.
No entanto, e apesar de me parecer que os pinga-amor são feitos de muitos medos, e por isso incapazes de se fixar, não me parece que se apaixonem sempre. Têm vários interesses precisamente para não se apaixonarem por nenhum.
É o seu caso...?

Cumps


De j. a 23 de Julho de 2006 às 23:10
(acho que)já percebi de que forma o seu discurso torna muito claras as ideias que aqui partilha: a ausência de meios termos na classificação seja do que for (não?).


De Frederido a 29 de Julho de 2006 às 00:07
Cara Sissi (não havia melhor nome na loja? :) )

Achei imensa piada ao seu posto sobre o pinga-amor, e muito do que escreve é verdade. No entanto ao ler os comentários e as suas respostas a esses mesmos comentários não deixei de notar um certo desprezo pela forma como os pinga-amores são tratados.

Existe uma coisa que eu creio que vai para além da tua compreensão e da maior parte das pessoas que escreveram comentários.

Um pinga-amor é um ser humano que sofre imenso com a sua capacidade de se apaixonar por várias pessoas do sexo oposto ao mesmo tempo (fantástico, não é?) e essa capacidade dá-lhe ao mesmo tempo ferramentas para poder esquecer e passar para outras.

Daí podemos passar facilmente para uma conclusão que são pessoas fúteis em relacionamentos.

Creio que é uma conclusão precipitadas, já que estas pessoas têm uma necessidade tremenda de encontrar alguém com quem se sintam comprometidos para a vida. O problema é que conseguem ver tantas coisas boas nas pessoas por quem se apaixonam que têm dificuldade em decidir pela certa.

No fundo, o que te pretendo dizer é que não lhes aches piada, porque eles não acham. Precisam de ajuda

Ajuda-os, nem que para isso seja preciso "home grown weed"


De sissi a 27 de Julho de 2006 às 14:30
Querida GK,
e dificil porque muito que conhecamos os seus rituais de acasalamento, julgo que ha dias em que todas nos gostamos de ser objecto de adoracao e seducao...nem que seja so por umas horas...
cumps


De GK a 27 de Julho de 2006 às 13:41
"É difícil escapar aos encantos deste macho."
Porquê? Já não conheces o jogo? É que eu conheço-o à distância... E, sim, gosto de mantê-los como amigos. São fantásticos nesse domínio. A vida é sempre colorida e cheia de risos.

Bj.


De vama a 24 de Julho de 2006 às 13:32
Muito tipificada essa visão principesca do pinga-amor. Muito afecto, muita amizade, muita adoração, muita contemplação,..., mas afinal esse pinga-coiso é macho só de encantos?


De sissi a 24 de Julho de 2006 às 13:46
Estimado Vama,
e tipificada esta nocao porque foi o caminho que escolhi seguir. Certamente mais haveria para dizer sobre o assunto, detalhes entre os quais figuraria, certamente, os outros encantos mais reconditos do macho. Mas nao me apeteceu.
cumps e volte sempre


De nuno a 24 de Julho de 2006 às 13:50
todos, homens e mulheres, gostamos de ter no parceiro/a um estimulo, algo que nos dê luta a conquistar para dps a podermos saborear interiormente.e dps da conquista feita precisamos que a chama se mantenha acesa, precisamos da "não-acumudação".
não será o pinga-amor apenas alguém que durante o envolvimento precise de estimulos maiores para manter a chama acesa, para ver a sua entrega retribuida??

bacci sissi


De sissi a 24 de Julho de 2006 às 13:57
Estimado Nuno,
pode ser que tenha razao. Mas o que queria focar aqui e aquele tipo de pinga amor que nao se compromete. O que nao chega a relacao porque os seus interesses variam. E muito. Picam aqui e ali, qual abelhinha trabalhadora, sem nunca se fixar. Achos lhe piada. So isso.
cumps


Comentar post

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge