Quarta-feira, 24 de Maio de 2006
O meu Tio
O meu Tio António é uma pessoa muito interessante. O meu Tio é um homem interessante. E bonito. Lembro-me, pequena, na idade em que a atenção ainda sopra inteiramente na nossa direcção, do meu pai me perguntar «Quem é o homem mais bonito que está nesta sala?», na esperança que a verdade da boca das crianças soletrasse o nome dele. «É o Tio António!» dizia eu, sorrindo e olhando para o rosto iluminado do meu Tio.

Fui crescendo e com o passar dos dias aumentava o afecto e admiração por ele. Era o pai que o meu pai não pôde ser e eu era feliz assim com dois pais. Ouvia-o sempre com o mesmo prazer e atenção, escutava os seus conselhos, perdoava-lhe os mesmos ralhetes.

Um dia perguntei-lhe: «Tio, porque é que não tens namorada?». Na sua imensa paciência, o meu Tio respondeu: «Querida, não queira ser adulta cedo demais, nem faça perguntas que não são para a sua idade. O Tio promete que um dia lhe explica.» E eu acreditava. Como acreditava quando ele me dizia que se tivesse fé em mim, nas minhas capacidades e nos meus sonhos, tudo correria bem. Tempos felizes esses...

Um dia o meu Tio levou-me a jantar ao «nosso» restaurante. Não estranhei a pompa daquela noite. O meu Tio tem o condão de tornar especiais os momentos, até os lanches de bifanas que o obrigava a comer quando vínhamos de mais uma tarde de bola em Alvalade. Vinha excepcionalmente aprumado. Reconheceria a milhas o cheiro da sua colónia. Clássica. E de dentro do seu fato de corte irrepreensível, já sentados na mesma mesa que nos acolhia todas as semanas, o meu tio diz-me: «O seu tio tem uma coisa para lhe dizer. Sou homossexual. Amo as mulheres, como bem sabe, que a amo a si, mas apaixonei-me por alguém como eu. Do mesmo género.» Disse-me isto com a mesma fleuma de sempre, mas percebi-lhe medo na voz. Eu limitei-me a sorrir. A passar as mãos pelos seus cabelos, beijar-lhe a testa e dizer-lhe: «Então e hoje, vamos variar, ou escolhemos a Perdiz como de costume?»

Três anos depois o meu Tio António e o meu Tio Luís mudaram-se. Acabaram-se as tardes temáticas. Os filmes franceses com Marrons au Chocolat e os Chás das Cinco com Scones. Os meus tios quiseram ter filhos e tiveram que mudar de endereço. Para escolherem uma criança a quem dar amor, a quem ensinar a tolerância e a diferença, apanharam o võo da manhã para um país onde o amor filial não tem sexo.

E eu fiquei sem este tempo de afecto, roubado pela estupidez e ignorância.

Um beijo Tios. Amo-vos.

publicado por sissi às 22:28 | link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De Mirone a 30 de Maio de 2006 às 01:01
Prezada Sissi,
vou abusar deste espaço para tecer observações ao vigésimo comentário.
Diz a Sónia: “(…) este post é muito bonito (…)” - muito belo, digo eu! Não obstante, deduzir inicialmente, pretexto para discutir sobre um tema melindroso.
Afirma também: “Tenho pena do país que ainda somos (…)” – pois, digo o mesmo!
Continua dizendo: “(…) assusta-me a pobreza de espírito e a arrogância das opiniões” - não podia estar mais de acordo!
Diz ainda: “Não há maneira de fazer perceber a estas pessoas que estão a falar com o espelho” – concordo plenamente!
Num ponto diferimos: eu cá vou resistindo em falar ao umbigo…



PS: O(s) destinatário(s) da Sónia é (são) difuso(s). Mas diria o mesmo em qualquer circunstância.


De Dani a 29 de Maio de 2006 às 11:33
Não consegui descortinar se o teu tio partiu para resolver um problema fugindo dele ou se simplesmente tomou a decisão de optar por uma vida melhor...è que são dois caminhos completamente diferentes. Mas parece-me pouco lúcido culpar a sociedade por algo em que nós não encaixamos. A vida simplesmente não é justa como nós gostaríamos que fosse.

Em resposta a alguns comentários: a sociedade portuguesa não é constituída por 10% de homosexuais e 90% de homofóbicos. Segundo as estatísticas, são qualquer coisa como 10% de homosexuais/bisexuais e 90% de heterosexuais. Simplesmente a nossa tolerância deve acabar onde começa a intolerância dos outros. E esta máxima aplica-se aos dois lados...


De sissi a 29 de Maio de 2006 às 11:39
Caro Dani,
tenho como princípio (talvez adquirido pelo meu tio...) que quando não estamos bem com alguma coisa, ou tentamos mudar ou mudamo-nos.
No nosso caso, meu e dele, e por razões diferentes, mudámo-nos. Sem confusão, atrito, problema, simplesmente, fomos à procura de outra coisa noutro sítio. Claro que a vida não é justa nem é o que gostaríamos que ela fosse. Mas há sítios onde as nossas premissas se encaixam mais facilmente. Precisamente onde a intolerância dos outros tem mais lastro...
cumps.


De Navegante a 29 de Maio de 2006 às 11:42
Sissi,

Estou sempre por aqui, mesmo quando pareço ausente. Infelizmente, o trabalho tem-me afastado das coisas realmente boas da vida, como comentar neste blog. Mas este não podia deixar passar ao lado. Aliás, acho que esta conversa não é nova aqui. Bem me lembro do raspanete que levei da Carlota (acho eu...) quando ousei argumentar que os putos, coitados, iam ser gozados até à eternidade pelos colegas por terem pais pouco convencionais. A resposta, nessa altura, foi suficiente para esconjurar as reticências que ainda mantinha. Pois, e então as miúdas de mamas grandes? E as de mamas pequenas? E os que andaram na Casa Pia? Também são gozados e não é por isso que se tornam pessoas mais ou menos frustadas no futuro. Hoje em dia, já não tenho reticências. Que se adopte e que se deixe de uma vez por todas de assobiar para o lado.

Beijos


De sissi a 29 de Maio de 2006 às 11:52
Cara Navegante,
se é só devido ao trabalho que não aparece, está desculpada! Vá...por esta passa...!
Quanto ao resto, goes without saying...
Bjs


De Navegante a 29 de Maio de 2006 às 10:31
Querida Imperatriz,

Brutal, minha amiga, simplesmente brutal!!
Quanto ao hate mail, mande-os todos bardamerda. Os cães ladram e a caravana passa.

Abdulhah,

Eu também atraco de popa, de vez em quanto. E então? Se calhar devia experimentar um dia destes.

Beijos


De sissi a 29 de Maio de 2006 às 10:49
Cara Navegante,
brutais são as suas palavras, minha cara, sempre atenta, mesmo quando penso que já não está por aí...
beijinhos querida.


De Sónia a 28 de Maio de 2006 às 22:08
Cara Sissi,

Antes de tudo deixe que lhe diga que gosto do seu blog. Já aqui discordei e não subscrevo tudo o que escreve. Mas não posso deixar de ter uma grande admiração sobre a sua maneira de pensar. Se fosse preconceituosa, diria que escreve como um homem. Como não sou, pelo menos tento não ser, deixe-me que lhe diga que escreve como uma mulher. Não a levo literalmente à letra, mas posts sobre levar no cu, essa fantasia de todo o homem “pai de família” e uma opção sexual normal entre um casal, assim como o texto sobre a verdadeira liberdade sexual em que referia o facto de as mulheres na cama acabarem quase sempre, independentemente do seu prazer, com ais e uis, foi muito eloquente. E identifiquei-me com ele. Eu até que defendo um conceito de Sra. Gaja que não dorme com gajos para os agradar mas sim para meu (primeiro) e depois deles belo prazer.

Depois, este post é muito bonito, tem de o mostrar aos seus tios. Pena são os comentários. Tenho pena do país que ainda somos, mas as coisas estão a mudar. O processo é irreversível. Mas assusta-me a pobreza de espírito e a arrogância das opiniões. Não há maneira de fazer perceber a estas pessoas que estão a falar com o espelho. Talvez uns destes dias acordem para o mundo real, ou talvez não.
Faço minhas as palavras da Sandra. Penso que é obvio que está a falar do amor ao seu tio e não do sexo dos anjos. Caso alguém ainda não saiba, os anjos não existem.

Não deixe de lhes mostra este texto, é tão bonito.


De sissi a 28 de Maio de 2006 às 23:25
Cara Sónia,
muito obrigada pelas suas palavras.
E obrigada também por perceber que por detrás de um assunto tão sério, reside um amor imenso e uma tristeza transversal.
Volte sempre. Mesmo que seja para discordar!
Cumps.


De Francisco Menezes a 26 de Maio de 2006 às 23:23
Oh Sisse!
Estás cada vez melhor. E a tua escrita também não está nada mal...

Beijinhos,
Francisco


Comentar post

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge