Segunda-feira, 15 de Maio de 2006
Bebedeira Sexual
I like to have a Martini

Two at the very most

After three I´m under the table

After four I´m under my host


Dorothy Parker


Não raras vezes, nos tempos em que vivemos, os conceitos de luxúria, sexo, depravação, deboche e quejandos vêm associados ao consumo de alcóol e drogas. Em maior ou menor quantidade, com mais ou menos sofreguidão e necessidade, quase todos já tentamos saber quão mais prazeroso ou fácil ou descomplexado o sexo pode ser quando já fumámos ou bebemos o suficiente para que o nosso super-ego deixe de ser um filtro e passe a ser apenas um conceito nos livros de Psicologia.

Confesso que houve altura em que achei que nunca conseguiria ter sexo sem a dormência boa, também chamada de «estou-me a cagar pó mundo e para o que ele possa pensar», que uns copitos de um fine wine podem trazer. Já sem falar da languidez e do constante flirting mode, da forma suave e calma que os movimentos ganham e o súbito descréscimo do raio de visão de uns olhos que, semi-cerrados, transbordam desejo.

E embora beba e fume socialmente o certo é que melhor sexo que já tive aconteceu quando estava toldada por um copito a mais ou uns fumos matreiros. Obviamente não falo de uma estado de semi- inconciência ou de amnésia alcóolica, falo apenas de um buzz, um horny buzz que torna a situação muito mais excitante. Suponho que assim seja porque, de facto, nos permite agir de acordo com a nossa vontade sem a «chatice» dos nossos fantasmas e o «aborrecimento» dos recalcamentos. Para além de que o toque ganha uma dimensão paquidérmica, em que uma mão parecem 10 mãos, um polvo gigante com tentáculos que são sentidos em todos os cantos.

Porém, os 31 anos que conto no lombo não me deixam fazer de cada date um drinking date e a idade é uma coisa que gosta de se manifestar nas alturas menos próprias. Ainda no outro dia fui convidada para uns «drinks after work», daqueles-que-não-sei-bem-no-que-vão-dar-mas-pelo-sim-pelo-não-vou-depilada, e pedi sumo de laranja. «What??!!» pergunta o meu acompanhante, como se tivesse acabado de pedir leitinho quente com bolachinhas. Ignorado o meu pedido, lá me trouxe um copo de branco. Ora eu, que ainda me estou a habituar a estas refeições líquidas, passada meio hora já o telemóvel me caía da mala, juntamente com as chaves de casa, e o decote que descaía e os olhos que iam ficando mais pequeninos, com a tusa cada vez maior enfeitada pelo sorriso maléfico que só o desejo sabe como provocar.

Não nego que tenho boas recordações dessas noites. Porém, pergunto-me se o facto de estar mais trôpega me impediu de viver uma potencial boa foda com o grau de exigência que gosto de habituar os meus parceiros? Ou seja, será que bêbedas mudamos os parâmetros?

Como sempre, falo por mim. Julgo que as minhas premissas não se alteram porque nessas situações me sinto ainda mais predisposta para o sexo do que o normal, mas não me parece difícil aceitar que há situações em que podemos deixar que uma foda fique a meio e a desculpabilizemos por via dos Dry Martinis e das Pints.

O alcóol é um lubrificante social. No sexo, faz-nos viver as fantasias sem complexos, soltar as palavras sem medos e o olhar do Outro é sempre recebido com um sorriso largo e seguro. Garante-nos uma liberdade aparente que julgamos não ter, ou não conseguimos viver, quando estamos sóbrios. É perigoso, portanto...

Não nego o lado positivo do consumo quando se trata de sexo, mas nada bate a «bebedeira», a tensão e a agitação de um parceiro atento e dedicado. A melhor da erva e o mais sublime dos vinhos não roça a qualidade de uma boa foda consciente do seu efeito.
E não devemos querer nada menos que isso.

publicado por sissi às 22:20 | link do post | adicionar aos favoritos

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge