Segunda-feira, 19 de Setembro de 2005
O Beijo
Arriscando-me, como diz um amigo, a tornar-me na nova revelação da escrita porno, com direito a apresentação do livro no Bar 25 do Rossio, hoje apeteceu-me escrever sobre o beijo. Ou sobre a falta dele no contexto sexual (where else!!??).
Vem isto a propósito de uma recente investida sexual a macho alheio. Daquelas situações onde já se bebeu umas e fumou outras, e as feromonas já se confundem com os canabinóides, e a vontade emerge como se não houvesse amanhã. Enfim, to make a long story short, a coisa deu-se. E eu dei-me mal. Como faço poucos juízos de valor sobre as pessoas e as situações (pelo menos tento...), não tenho pejo nenhum nem há nada que me impeça de sair de situações de cama quando, depois de devidamente avisado e direccionado, o parceiro insiste em não distinguir a direita da esquerda. Vai daí, estava eu no meu ritual de iniciação pré-coital, quando percebo que o efebo não fazia intenções de alinhar no must sexual de sempre: o beijo.
O beijo é, para mim, o maior turn on da história sexual. Da minha, claro. Oscular devidamente pode ser tão bom quanto um orgasmo e é, certamento, a melhor forma de o entabular. Forte, profundo, escorreito, é remédio para qualquer maleita. Acontece porém, que quando o ritual coital se inicia, a maioria dos homens tende a obliterar esse elemento, como se a água, o ar ou o fogo pudessem ser retirados, sem mais, à conjunção de tantos outros factores. Retirar o beijo é esquecer a construção sexual. É alinhar pela manutenção do acto apenas como acto em si sem qualquer pundonor. Faz com que nos sintamos fora do lugar e fora do momento.
Mau, mau, é quando percebemos que o parceiro o faz porque não se quer dar ao trabalho, por puro torpor, madraço de merda que acha que é só abrir a perninha e já está. E então, cobardemente, enfiam a cabeça na almofada enquanto nos penetram ao ritmo do seu próprio desejo, transformando um pas-de-deux num triste e desafinado solo.
Julgo que foi para contextos como este que a expressão «Sai de cima mim» foi criada...Tal como, de resto, a porta da rua foi feita para sair...


publicado por sissi às 20:41 | link do post | adicionar aos favoritos

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge