Segunda-feira, 8 de Agosto de 2005
Bas fond lisboeta
Bas fond, aka, Fontória, uma das casas de putas rascas mais fina de Lisboa. Noite de sexta feira, quatro gatos pingados, a arfar de calor numa Lisboa vazia de gente e de vento. As nossas vontades não coincidiam e eu já lhe tinha dado o ultimato: «Se quiserem ir pa Cacilhas pá merda da festa dos góticos, caguem lá nisso. Eu não vou. Até calha bem que o carro é meu...»
Eu, que até estava bem disposta, porém um pouco nazi (é do calor...), «convenci-os» que numa noite em que às 3 da matina estavam 27 graus, o certo é ir ao Hot Club, o local cujo nome melhor assenta, porque mesmo que os 27 graus fossem negativos, lá dentro estaria sempre um calor de fazer inveja às chamas do Inferno. Mas enfim, é nisto que dá ter bons amigos. É tenho um fraquinho desssssssteeeeeeeee tammmmmmmmannnnnnnhhhhhhoooooo pelo rapaz que lá toca e cada vez que posso arrastar alguém, lá estou eu. Mas naquela noite, o meu fraquinho foi fraco demais e ar condicionado é uma coisa muito à frente para aqueles senhores que ainda devem ver as horas pelo sol. Saímos.
«E se fôssemos ao Fontória?» - disse um dos compagnons de route
«Boraaaaaaa» - parecíamos uns miúdos a quem tinha sido dado um passe vitalício para a candy shop. O Fontória é gargalhada certa.
Brifamos devidamente um elemento do grupo que ia fazer o seu baptimo de vôo.
«Não te podes rir na cara das pessoas, porque aquilo é a vida delas, e é chato, e sobretudo, perigoso. Se quiseres beber, pede uma garrafa de água, que é mais barato, e custa 5 euros. Esquece as pipocas e os amendoins por razões que não vêm agora ao caso...E se ainda lá estivermos quando trouxerem as pataniscas, caga nisso. Aquilo são pedaços de sal com cheiro a bacalhau...» - aqui todos nos rimos da piada brejeira e olfactiva e culpámos o alcóol e as ganzas por isso..
Entrámos. O ambiente não podia ser mais «filme» do que aquilo. Sentámos-nos e eu nestas situações lembro-me sempre daquele mito urbano que diz que se te sentares em certos sítios (mais porquitos) podes apanhar hemorróidas. Fico aflita porque essa é uma área muito sensível do meu corpo e eu nem quero imaginar uma doença para essas bandas...
Mas tergiverso. Como a sorte protege os audazes, nem 5 minutos depois começou o show. E estava eu à espera de ver uma boa mama ou um bom rabo que pudesse maldizer, em vez do strip, tenho um grupo de 6 meninas escandinavas, que faziam um bailado que não tem descrição... Portanto, eram vários quadros, com várias coreografias e várias músicas diferentes. A qualidade é subjectiva, mas a mim pareceu-me aqueles saraus de ginástica, com os outfits muito feios, elas descordenadíssimas, e tudo isto destoava da tez alva, olhos azuis e cabelo loiro, num enseble que as punha a milhas dali! Fizémos apostas e ganhou a teoria do Nuno de que «as miúdas são estudantes, andam pela Europa e fazem este show para ganhar uns trocos...» Ele há gente ingénua...
Enfim, o espectáculo do palco terminou, ao mesmo tempo que iniciava o das «bancadas».
Ora, nos sofás, devidamente forrados a veludo vermelho, havia de um tudo. De um lado as putas portuguesas, desdentadas, feias, velhas, gordas. Será que elas não entendem que uma mulher nestas condições a dormir num sofá é capaz de não levar a água ao seu moínho? É que do outro, estavam as brasileiras, novas, feias, enérgicas, simpáticas e boazonas. A fauna masculina era composta por novos e velhos, numa encenação lúgubre que mais parecia um take do «Feios, Porcos e Maus». Enquanto pensava no pólo de doenças contagiosas em que devia estar metida, e enquanto todos, do alto das nossas vidas fáceis, teorizávamos sobre o fenómenos social que estava à nossa frente, dei por mim a pensar que a maior doença daquele quadro surrealista era a solidão. Ali, estavam sobretudo (tirando as brasileiras), pessoas sós, do Manel da Esquina ao Manelinho da Lapa, todos eles de olhar baço, apenas despertado pelos rabos sem mácula e o silicone do peito de uma qualquer brasileira que se despia sem alma agarrada a um varão também ele morto.
Entretanto, perdeu a piada e viémos embora.
Foda-se!


publicado por sissi às 17:40 | link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De Stephen King a 8 de Agosto de 2005 às 10:29
Excelente.
E deixa sem comentários.


De sissi a 8 de Agosto de 2005 às 10:56
U spoil me!
chuac!


De Rosebud a 8 de Agosto de 2005 às 14:00
que filme! leio, totalmente absorvida, e a expressão final é a mesma: foda-se...


De David a 25 de Junho de 2007 às 18:09
Maria David Mirabella ...


De suhpmil rwgqymtox a 26 de Junho de 2007 às 13:06
hwtm ntcualx lcviyq udmbwh zdxnhj dbgef dnquoaiz


Comentar post

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge