Quarta-feira, 25 de Novembro de 2009
New bitch

Tenho uma bull mastiff em casa que é, basicamente, uma vaca.




Terça-feira, 24 de Novembro de 2009
Sissi no METRO - Anal

A minha mulher recusa-se a fazer sexo anal. Já lho pedi várias vezes, explicando que é importante para mim, que gosto muito. Mas ela nega o meu pedido argumentando que é desconfortável e não quer sequer ouvir falar do assunto. O que posso fazer para a convencer?

Caro Leitor,

Antes de mais, deixe-me que lhe diga que não está sozinho nessa demanda. Há muito macho por aí que partilha da sua preocupação e vê goradas as suas tentativas diplomáticas de convencer as suas queridas que o sexo anal é bom e deseja-se. Porém, das duas, uma: ou os esforços que envidam são apenas verbais, esquecendo toda a preparação inerente às primeiras vezes de entrada traseira, ou a rejeição é total e, nesse caso, mais vale esquecerem. Mas sejamos optimistas e pensemos na primeira hipótese. Se o caso é falta de preparação, menos mal. Mas convença-se o sexo anal implica cuidados e procedimentos diferentes. Antes de mais, muito preliminar na zona a ser trabalhada. Muita língua, dedo e lubrificante, por forma a distender e relaxar a área e excitar a parceira. De resto, não se esqueça também que, apesar de as zonas erógenas estarem localizadas em zonas diferentes do corpo, o prazer sente-se como um todo, logo, agarre nas mãozinhas e dedique-se, com afã, a proporcionar a sua mais que tudo, um poutpourri de sensações, um pouco por todo o lado, mesmo que o alvo seja o traseiro. Muito beijo, muito amasso, muito querer, que é disso que nós gostamos. Muito importante, também: um bom lubrificante, ou mesmo a clássica vaselina, já que a lubrificação nessa zona não é imediata. E depois, é escolher a melhor posição e ir tentando, devagarinho, deixando que seja ela a comandar as operações, e sem nunca se esquecer de lhe estimulando o clítoris, a piéce de resistance de qualquer actividade sexual feminina. O sexo anal pode ser a melhor e a pior coisa do mundo. Cabe-nos a nós escolher.

 

Grazie a tutti. E a frutti também. Mais missivas para princesa-sissi@sapo.pt

 




Terça-feira, 17 de Novembro de 2009
Sissi no METRO - Gay?

Sou uma mulher de 37 anos e, recentemente, comecei a sentir-me atraída por uma colega do ginásio que frequento. Sempre me vi como heterossexual mas estes recentes acontecimentos fazem-me duvidar. Será uma coisa passageira?

Cara Leitora,

Se é ou não passageiro o tempo o dirá, o que lhe posso dizer é que não é a única. Aliás, há cada vez mais mulheres com uma curiosidade crescente em relação a outras mulheres e que fantasiam sobre como será explorar um corpo semelhante ao seu. Na realidade, esse desejo parece-me não só comum, como saudável. É sinal que estamos vivas e que a nossa libido funciona. O corpo feminino é bonito de olhar, de tocar ou apenas de fantasiar. Fazê-lo, ou pensar no assunto, é apenas o que é: a manifestação da vontade de sentir e ter prazer com um recorte físico que se assemelha ao nosso, cujos pontos erógenos conhecemos sobejamente por serem também os que nos fazem titilar. A delicadeza do toque, os preliminares mais longos e intensos, a própria noção de transgressão, são factores que fazem desejar ainda mais. Se a sua colega de ginásio a atrai, não complique. Incorpore essa fantasia na sua vida sexual, sozinha ou acompanhada, e deixe-se ir. Esqueça os rótulos que o desejo não se compadece com eles. Se a sua colega é uma mulher bonita e atraente, encare o facto como natural e desfrute dele como entender. E se algum dia esse seu desejo se materializar, ou seja, se algum dia der por si a perceber um feedback da sua colega relativamente aos seus olhares e desejos, faça o que fizer, não se deixe limitar por outra razão qualquer que não seja a sua própria vontade, que é a única que conta. Tal como uma laranjeira não faz um pomar, fantasiar e ter sexo com a sua colega de ginásio só mudará aquilo que entender. Seja lá isso o que for. E, acredite, não há nada de mais bonito e tesudo que duas mulheres que se entendem e se apreciam sexualmente. Pena eu não frequentar ginásios.

 

Obrigada a todos os que enviam mails para SISSI NO DIVÃ. Não consigo responder no tempo que seria desejável porque o trabalho abunda, mas a resposta seguirá, sem falta. Kudos to you all!

 




Sexta-feira, 13 de Novembro de 2009
Sissi na FHM - Halloween

Quando a vida irrompe pelo sexo adentro fazendo mais estragos na tesão e no desejo que o penteado do Limahl na década de 80, urge encontrar saídas para a entrada da rotina no que temos de mais prazeroso: o sexo. Não vale a pena inventarem a roda. O tempo e o quotidiano apanha-nos a todos e as reacções do baixo ventre não são alheias a esse verdadeiro cataclismo sexual. Quando o mangalho já não vos obedece como outrora, ou quando os mamilos erectos não anunciam mais que uma aragem fresca, há que inovar, mudar, baralhar e voltar a dar.E não precisam de ir muito longe. As mudanças não têm, necessariamente, que abarcar uma ginástica, física e mental, que implique mortais encarpados com duplas piruetas. Basta, para tal, que abram espaço a uns quantos adereços, os vossos melhores amigos quando a inovação é quem mais ordena.

E não pensem que vos sugiro a corriqueira ida à sex shop. Não que vos faça mal, mas se pensarem bem, o que é tradicional também bom, logo, são bem capazes de ter em casa tudo o que precisam para umas bombadas á grande e à portuguesa. É uma questão de, como que por osmose, incorporarem os vários elementos caseiros que vos vou dar conta já ali em baixo, em formas únicas de iniciar sessões contínuas do vosso próprio filme porno. Ora atentem.

Almofadas – estas grandes queridas podem ser usadas de duas maneiras: mesmo no final das costas, levantando a zona pélvica para penetração profunda e um perscrutar de uma cárie ou outra; ou de costas, por debaixo da barriga, para a mesma motivação na canzana. Pela frente ou por trás, a almofada é amiga.

Chuveiro – cá está um belíssimo substituto de mão amiga. Porém, a dois, basta que, gentilmente, direccionem a água do chuveiro para o clítoris da vossa querida, enquanto a observam a tocar-se e contorcer-se de prazer. É só uma questão de tempo até que vos dê os calores também e lhe saltem em cima que nem uns bravos.

Pasta dos dentes – apesar do mito urbano nos dizer que o mentol rouba a tesão alheia, duvido que existam tantas sensações tão boas quanto as que esta ervinha pode provocar. Assim sendo, exortem a vossa querida a degustar um rebuçado mentolado para o chupanço de outras áreas se torne ainda melhor. Não só o hálito fica fresquinho, como a sensação de dormência boa que o mentol provocará no vosso mangalho retardará e intensificará o orgasmo.

Água com gás – parece estranho, mas não é. Atentem nisto que Sissi vos diz: estão a ver o efeito que as bolhinhas do gás produzem na boca quando bebido? Agora imaginem em zonas estratégicas do corpo da vossa querida, como, por exemplo, no mamazal? Justamente. É espalhar umas gotas nos mamilos, soprar um bocadinho para intensificar, e aproveitar os efeitos.

Acreditem nisto, estimados súbditos leitores desta Bíblia: muitas vezes, tudo o que precisamos para uma boa noite de sexo está ali mesmo ao lado e não custa nada.

Palavra de Sissi

 




Quarta-feira, 11 de Novembro de 2009
É oficial

Esta princesa apaixonou-se. Algum dia tinha que ser. Evitamos as coisas o mais que podemos mas um dia a coisa dá-se. E deu-se. Não sei bem o que fazer com isto. De conas e caralhos ainda vou percebendo. De borboletas na barriga e reações inesperadas, nem por isso. Não é que isto seja mau. Mas não o sendo, também não é do caralhão.

A ver, a ver.




Segunda-feira, 9 de Novembro de 2009
Is it just me...

...ou a Popota é ultra sexy, fofinha e feminina?




Quarta-feira, 4 de Novembro de 2009
Sissi no METRO - Love

Cara Princesa,

Estou apaixonada. Estou irremediavelmente arrebatada por um Amor tão grande que chego a ter medo das proporções desmedidas que me abalam o sistema e a vida, há mais de um ano. Mas esse não é o problema. O problema é que a criatura, o homem perfeito para mim (…) está apaixonado pela ex-namorada, há mais de três anos. A ex-namorada, boa e sensata moça, tem casamento marcado (com outro, naturalmente). Ele, a criatura, vive num misto de arrependimento e esperança, escuda-se na fixação pela ex para se recusar a entregar o coração e a alma. Por mim, diz que nutre amizade e carinho, o que se traduz numas aventuras carnais esporádicas, mas não mais, pois que não substituo a ultra-fabulosa ex. Às restantes fêmeas, poderá dar hipótese. A mim jamais. Tentei esquecê-lo, ultrapassá-lo, substituí-lo. Sucesso 0%. Sugestões para conseguir a hipótese de felicidade com que, para já, me contentaria?

Estimada Leitora,

Antes de mais, urge parar com essas «aventuras carnais», como lhe chama, ainda que esporádicas. Se quer, de facto, esquecê-lo, tente afastar-se o mais possível do seu objecto de desejo e parta para outra. Perpetuar esses encontros não lhe vão trazer o quer, ao contrário, vão brindá-la com o que não quer, ou seja, com a insatisfação, frustração e tristeza que sempre trazem um amor não correspondido. Se, de facto, ele lhe diz e mostra que nutre por amizade e carinho, não me parece que haja uma fórmula mágica para o que procura. Aliás, parece-me que está à procura da coisa certa no local errado, ou seja, procura ser feliz com alguém que não a ama. E, assim sendo, só lhe resta afastar-se, lamber feridas, levantar a cabeça e seguir em frente. O que, talvez, fosse interessante perceber, é o que, na realidade, a liga a esse homem? O que é que ele tem de especial que a faz querer tanto e aceitar receber tão pouco? Pense nisso…

 

 

 

 

 

 




Domingo, 1 de Novembro de 2009
Depois do NEA, as LUNA

Apesar de todo o feminismo encapotado com que a modernidade nos tem vindo a brindar, e mau grado os soutiens que se chamuscam aqui e ali, a sexualidade feminina ainda está impreganada de alguns dogmas que teimam em esfumar-se, quais pegadas no areal algarvio.

 

Se não, vejamos: quantas de nós, grandes queridas, assumimos uma sexualidade individual? Assumir para si mesma, entenda-se, que não temos que andar com sinais luminosos na cabeça a indicar o Sul, mas quantas de vocês, excelsas súbditas deste palácio de esbórnia, já dedilhou, ou tem o hábito de dedilhar, os lábios do vosso contentamento?

 

Ora vem isto a propósito destas meninas, destas bebés, o mais recente treat, com consequente trick, com o qual me brindei. Depois do NEA, as LUNA não só são bonitas como cumprem, na perfeição, a função para a qual foram escrupulosamente concebidas: titilar o nosso interior sem que, para isso, precisemos de outrém.

 

Súbditas do meu reino, se gostam de se descobrir amiúde, passem por aqui. São bons, bonitos e cumprem. Que mais podemos querer?

 

ENJOY!




 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge