Terça-feira, 28 de Setembro de 2004
TPM # 1
«Estás a dormir?...acorda...vá lá...acorda...» Como ele não acordasse, levantei-me rumo à cozinha. É sabado, são 10 da manhã e a rua está silenciosa. Os carros costumeiros deram lugar a senhoras a caminho da praça, netas pela mão, em prazeirosa conversa com a vizinha do 2º andar, que o marido foi ontem fazer um TAC e diz que estava tudo bem. Desço à garagem, pego no carro e rumo à livraria onde, sábado após sábado, me guardam as revistas e jornais vai quase para um ano. Quase há tanto tempo quanto estou naquela casa da Rua das Flores. Quase há tanto tempo quanto o João decidiu engolir a timidez e falar comigo no meio da rua. Quase há tanto tempo quanto eu, tão tímida quanto ele, decidi falar-lhe também.
Chego a casa e o João já está a pé. Olha para mim, cabelo desalinhado e barba por fazer, e lembro-me de pensar que tenho o marido mais charmoso do mundo. Saladas e sumos naturais, que eu estou sempre em dieta, seguida da leitura e escuta das últimas novidades musicais. O João é melómano até à medula, ao contrário de mim que apenas percebo daquilo que gosto muito. Entre o ver e o ouvir, há outros sentidos que se vão apurando com o passar das horas. Fazemos amor como se a nossa vida dependesse disso. Como se fosse a primeira vez e, simultaneamente, a última. Noite. Os amigos chegam. Esta semana calhou-nos a nós acolher a «família». Falamos, rimos, bebemos, fumamos...Já com o espírito enebriado de substâncias e alegrias, os amigos vão e ficamos nós. Como de início. Como sempre.



Sábado, 25 de Setembro de 2004
Terminal
Estava eu cogitando sobre qual o Magnólia mais adequado ao meu estado de espírito (como se fossem todos muito diferentes, os Magnólias, entenda-se), quando a minha veia pequeno-burguesa me levou à Praça de Londres, que é uma praça internacional de grande patine.
À custa de me esfarrapar toda na Valentim de Carvalho, os senhores Castello Lopes tiveram uma atitude de grande elevação moral e decidiram ofertar-me um bilhete de cinema (gaste 15 contos em compras e ganhe mil paus num bilhete de cinema), o qual muito agradeci. A escolha não era variada. Entre a nova fantasia do Spielberg e a sequela do Bourne (muito contra-natura) decidi optar pelo Tom Hanks em detrimento desse éclair au chocolat que é o Matt Damon.
Já de nalga em riste nas cadeiras aerodinâmicas do cinema Londres, e preparadinha para mais um filme banal, eis que surge Tom Hanks, mais Forest Gump que nunca, num filme que «fala» sobre a amizade, a solidariedade, num sub-texto que aborda, precisamente, a falta delas.
O que me ficou, verdadeiramente, deste filme, foi a lembrança (que é tão estrutural em mim que às vezes me esqueço), do verdadeiro fascínio que tenho por aeroportos. Adoro. E adoro tudo. Devo ser das poucas pessoas que não se importa nada que os aviões atrasem. Adoro ficar a olhar e a imaginar o destino dos passageiros, o propósito das viagens. Estarão felizes? Emociono-me quando vejo os afectos de quem chega e quem parte, porque são lágrimas de quem, acima de tudo, espera. A ida. Ou a volta. Em trânsito para uma espécie de Finisterra, de Terra de Ninguém, onde estamos sem estar.



Sexta-feira, 24 de Setembro de 2004
Talvez...
Talvez não haja razão nenhuma e toda eu seja demência, ou urgência, não sei...
Talvez não sejas tu, nem seja eu, nem tenhamos nós que existir
Talvez devesse simplesmente deixar fugir o momento, em que dentro de ti navego e sonho e acordo a rir

Talvez tu não sejas mais do que tudo aquilo que a minha imaginação quis criar
E não sejas bom nem mau, não sejas forte nem fraco, não tenhas por dentro tanto além daquilo que eu vejo por fora (e que, aqui entre nós, é pouco...)
Talvez a razão não me acompanhe nesta viagem e eu percorra a estrada apenas como um louco, sem pequenas questões nem grandes respostas.

E então, poderão perguntar-me:
- Mas afinal, porque gostas?
Talvez eu nesse instante possa responder que é justamente
esse não sei quê, que nasce não sei quando, vem não sei como e dói não sei porquê que me faz acreditar.

Luís Vaz de Camões

PS - Desculpem a intimidade do post, mas precisava deitar isto cá para fora, para fechar de vez uma gaveta há muito aberta em mim.
Até sempre D.
</span>



Terça-feira, 21 de Setembro de 2004
Faz hoje 30 anos...
...que um casal (ainda) apaixonado teve a sua segunda filha. Que a duras penas, mas com uma felicidade imensa, a minha mãe chorava de alegria ao mesmo tempo que o meu pai continha o verbo para não se desmanchar ali. Faz hoje 30 anos que o meu irmão, na altura com 4 anos, teve uma irmã e se salvou da tristeza que é ser filho único.
Trinta anos depois, continuo a mesma garota a quem a minha avó ensinou a bordar, a mesma criança que o meu avô levava para o trabalho, a ter as mesmas birras com a minha mãe em lutas de titãs que só as gajas entendem porquê, e a menina do papá em tudo o que faço. Trinta anos depois continuo mimada porque sempre tive a felicidade de poder fazer como queria, numa liberdade que a vida me permitiu e a qual lhe agradeço.
Porque os trinta se sentem (no corpo e no espírito), obriguei-me a olhar para trás para poder andar para a frente. Honestamente. Gostei. E estou grata pela família que tenho, pelos amigos que fui encontrando, pelos livros e música que me passaram pelas mãos, pelas pessoas que mos fizeram encontrar, pelos sítios onde estive e aos quais quero sempre voltar, mas também pela gente de merda que se cruzou no meu caminho, pelas frustrações, desilusões, tristezas, que essas também fazem parte.
Sei que com 30 vou ser melhor do que era com 20, e aos 40 serei melhor do que agora.
Obrigada a todos os que estão comigo.



Quinta-feira, 16 de Setembro de 2004
Ninguém gostou do nome
Pai, Mãe, Cadela,

só vocês é que gostaram do nome deste blog....Vou para Ponte de Lima daqui a pouco afogar as mágoas no verde da paisagem a perder de vista e no tinto sem ver o fundo do copo.
Já não bastava o facto de o Sporting ter levado dois secos em Setúbal, certamente levar mais dois hoje à noite, a Madonna não ter cantado o Like a Virgin e a manicure estar de férias, e ainda tive que levar com os meus so called friends a desdenharem do meu bebé, do meu blog.
Soçobrei. Claudiquei mesmo. Grace a Dieu pelas substâncias psicotrópicas.
Enfim. Estou em TPM e o mundo está prestes a bater-me à porta.
Será que tenho tampões em casa?



Quarta-feira, 15 de Setembro de 2004
E Deus criou a gaja e suas cenas também
Como todos os nomes decentes estavam tomados (obrigada a quem me surripiou o TPM, Flor de Lótus e Tampax), optei por este que não quer dizer rigorosamente nada. Não é que esteja escrito em algum lado que os nomes têm que, obrigatoriamente, querer dizer alguma coisa. Mas depois deste me ter vindo à memória, achei que, de facto, não poderia ter escolhido melhor.</span>
Cenas de Gaja dá para tudo. É um chapelinho onde cabe tudo aquilo que não queres ou não sabes explicar. Do género: «Vê lá tu que a gaja, saiu-me do carro, pegou numa bigorna e mandou com ela em cheio no Toyota Celica. Que bicho lhe mordeu? Deixa lá, são cenas de gaja...» ou então: «Estás com um buço que não se pode e umas sobrancelhas de fazer inveja a qualquer membro da familia Cunhal. Que se passa?» «Oh, cenas de gaja...»
Como vêm, dá para tudo. E para todos. E digo todos porque este blog não é censório. É pró menino e prá menina. Aceito tudo o que me quiserem dizer, desde que com piada e elegância.
O que não vale a pena é esperarem que se descubra aqui a solução para os grandes males do mundo (já basta o dilema que tenho em saber o que vou vestir todos os dias). Antes discutir o sexo dos anjos que a retórica sempre me entusiasmou. Também não me vou armar ao pingarelho e dizer que adoro Wittgenstein e que aos seis anos já lia Karl Marx (quando, de facto, só o descobri aos oito...), mas se o quiserem fazer estão à vontade. Gosto de chavões e o meu favorito é o «estamos sempre a aprender».
Maneiras que é isto.
Apareçam.
Mi casa, su casa.



 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge