Sábado, 2 de Outubro de 2010
Sissi Responde - Heartbreaking
Olá. Estou a passar uma fase complicada na minha vida, um desgosto amoroso de uma relação de 2 anos e meio. Será que me podes dar umas dicas de como ultrapassar isso? Sou obrigado a conviver diariamente com a outra...

 

Súbdito Devidamente Identificado

 

Estimado Súbdito,

tenho boas e más notícias. As más, primeiro: não há nada que eu lhe possa dizer que o meu caro não saiba também. Não há remédios caseiros, poções encantadas e seredipismos que nos tornem, subitamente, cientes que, apesar de o nosso amor ter ficado para trás, continuamos vivos. Na verdade, só nós é que achamos que não sobrevivemos a uma relação fracassada. Se reparar bem, o dia continua a ser dia, a noite continua a ser noite e a natureza do amor romântico não vai deixar de implicar a perda só porque nos fartamos de sofrer.

 

Gostaria muito de ter uma lista, bem concatenada, de tarefas e instruções que fizessem desaparecer e sensação de termos ficado sem uma perna ou um braço. Gostaria de a ter pra si, pra mim, e para toda a gente que tem coragem de se ligar a outro sabendo que o pode perder. Mas, acredite ou não, apesar de eu mesma estar no rescaldo de um coração partido, se essa lista existisse, os meus olhos não passariam por ela. Porque não há maior oportunidade de nos tornarmos na pessoa que queremos ser que o espaço por preencher de alguém que já não está. Parece-me que não há nada que possa fazer para mudar o que aconteceu. Está feito e para sempre inscrito na sua história pessoal.

 

O que pode fazer, e estas são as boas notícias, é decidir como viver essa falta. Isso, sim, depende de si e vai colmatar a falta de controlo que só sente quem já se deixou ser guiado por um sentimento forte que, de repente, desaparece. E eis o que eu sei, o que aprendi: por muito difícil que seja, por muito que achemos que nunca vamos encontrar ninguém igual, que a pessoa que se foi concentrava nela todas as qualidades do mundo, isso não é verdade. O desgosto amoroso, em parte como o amor, é, na sua essência mentiroso. Faz-nos acreditar que morrermos a cada golfada de ar sem nos deixar perceber que é o ar que, precisamente, nos faz viver.

 

O que é que pode fazer? Continuar a andar. Um dia, quando menos esperar, a coisa passa. Oh, se passa.

 

Palavra.

 

PS. ofereço-lhe esta. Das minhas favoritas. Enjoy!

 



publicado por sissi às 01:19 | link do post | adicionar aos favoritos

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge