Quarta-feira, 21 de Julho de 2010
Fufedo ou talvez não

Não há nada melhor, quando a canícula nos entra pelo escritório adentro e o corpo pede que nos estiremos na cadeira e pensemos o menos possível, que observar as fotos das vidas dos outros, nesse antro maior de engate e de foda que é o Facebook. Ele é as poses na praia, os amores de Verão e de Inverno, os cães, as amigas e os amigos, «esta foi em Kuala Limpur», «aqui sou eu a divertir-me imenso na noite», «na praia, com o amor da minha vida». Mas as imagens que verdadeiramente me fascinam, as que me fazem endireitar na cadeira, são as que o grelame insiste colocar em poses que intuem uma (bi)sexualidade por apurar. Depois de aturado e demorado estudo, descobri que há uma tendência enorme para o auto-retrato, de língua de fora, com um olhar, meio vazio, mas que diz «sou sexy e sei disso». Não raras vezes, o grelame aparece acoplado a mais grelame, assim com as maminhas encostadas umas às outras e, claro, língua de fora, viradinha para a língua da amiga. Ora bem, nada contra. Algumas são até bem jeitosas, embora o género não me caia especialmente no palato.

 

No entanto, cogito sobre esta novel ordem, que encaixa pré-adolescentes e balzaquianas na mesma cerca, em que comer pipis se tornou arma de arremesso para o lado de lá de uma barricada, onde existem efebos e pré-andropáusicos, ávidos de uma excitação fora da rotina. Eu entendo a raiz da coisa. É tão fácil chamar a atenção desta forma que até parece mal não o fazer. Afinal de contas, é só juntar os corpos, fingir um beijo mal parido, acrescentar curiosidade natural, tirar uma foto e colocar na moldura do mundo. Já está. Tão fácil quanto juntar água, é igualmente simples receber interesse, venha ele de onde vier.

 

É claro que sei exactamente do que falo. Como sei que não pode ser bom para as cabeças em formação este innuendo social que nos enfraquece como mulheres, nos ridiculariza e nos deixa exactamente no lugar onde estamos agora: somos mais mulheres quanto mais nos assemelharmos aos homens.

 

Pergunto-me ainda quantas dessas mulheres auto-retratadas conhece o impacto que pode gerar o momento em que estamos fisicamente com alguém do mesmo sexo? A confusão que, potencialmente, se instala quando um corpo similar se encosta, verdadeiramente ao nosso? Comer pipi alheio pode ser um tudo-nada ou um nada que confunde tudo. E não há preservativos mentais que impeçam esta confusão. A não ser pensar um bocadinho.



publicado por sissi às 15:27 | link do post | adicionar aos favoritos

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge