Sábado, 27 de Março de 2010
Mentertainment

Quanto mais velha estou, mais gosto de homens. Não apenas no prazer que me dão, mas na curiosidade que me provocam. Dizer que os homens são simples e básicos e tão simples e básico quanto a mensagem que encerra. Todos os que conheci até hoje, mesmo os revoltantemente idiotas, são de um requinte de qualquer coisa que não encontro nas mulheres. Talvez por se deixarem dominar menos pelas emoções, ou porque possuem, regra geral,  um ego de tal modo grande que compete com a capacidade de viverem harmoniosamente. De todas as castas machas que conheço, há um que ocupa as minhas cogitações actuais, não apenas pelas valências que demonstra, mas por se encaixar, na perfeição, no tempo dos tempos que vivemos.

 

Falo do «mentertainer», figura que dá origem ao «mentertainment», que é a actividade criada pelo macho que nasceu para, lá está, entreter mulheres. E reparem como o vocábulo é, também ele, inóspito. Entreter. Parece bom, não é? Provavelmente até é. Excepto quando nos calha um mentertainer numa rifa bacoca quando achamos que estamos a comprar um bilhete da lotaria dos Reis. Por partes.

 

Um mentertainer não é um filho da puta. Mas não deixa de ser. Não é um badboy, mas não deixa de ser. Não prejudica, mas não deixa de o fazer. Não engana, mente, trapaceia, mas não deixa de providenciar esse gosto nas bocas que beija e fode. É uma espécie de diamante, mas sem o brilho próprio das pedras preciosas. Porque, no fundo, está lá tudo. Tem predicados físicos e intelectuais para agradar às massas e o timming perfeito para saber quando sair de cena, deixando corações ao alto. Tem ainda a capacidade de renomear conceitos, dar-lhes novos significados à luz da qualidade de mamas e cus que estão no alvo. Mentir não é mais que omitir. Ter saudades torna-se na mais lata das palavras. E assim anda ele. Engalanado por natureza e engalanando, pela mesmíssima razão.

 

Se pensarmos bem, todas temos um mentertainer na nossa vida. Eu tenho o meu. O meu melhor amigo, o mais próximo que alguma vez tive de um amor perfeito e também a pessoa mais imatura que já se cruzou no meu caminho interno.

 

Papi,

love you.



publicado por sissi às 16:56 | link do post | adicionar aos favoritos

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge