Quarta-feira, 2 de Março de 2005
...

javier bardem

Há filmes que nos dão que pensar. Mar Adentro é um deles. Mais do que discutir comigo mesma a questão da Eutanásia, dei por mim a pensar nas letargias e mesmo paralesias que nos obrigamos e nos obrigam sem as termos pedido. Mortes assistidas com um espectador previligiado, que somos nós mesmos, num cadafalso dourado e adornado por habitos de vida e comodismos vários. Foi a vontade de morrer deste Ramón que me acordou para a vontade que tenho que outras coisas morram em mim.
A pouco e pouco lá iremos. Tal como Ramón Sanpedro, de resto...


publicado por sissi às 02:41 | link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De Stephen King a 2 de Março de 2005 às 11:39
Ainda não vi o filme em questão, mas a temática é algo que me interessa de sobremaneira. Porque embora seja o brocardo comummmente conhecido quer dita que a vida é curta, é fácil encontrar o oposto. A vida pode ser excruciantemente longa, de as garantias mais básicas não forem pura e simplesmente passíveis de serem executadas. As garantias das necessidades, das alegrais mais básicas e essenciais á dignidade de uma vida que valha a pena. Bem sei que é romântica e inspiradora a ideia de alguém que suporta todas as agruras estoicamente, mas imaginar o que é uma prisão orgânica em meio á lucidez da solidão e incapacidade é algo que não será muito fácil de executar. E quando a vida nada apresenta senão um lento desfilar de dor e incapacidade, quem é que tem a autoridade moral para falar da vida a todo o custo, quando o seu dono deseja dispor da mesma, nas condições que a sua dignidade pessoal lhe garante?
Este tipo de testemunhos talvez sirva para ilustrar que por vezes, com o tanto que temos, escolhemos complicar e fazer tão pouco. E com tanta margem para progredir, com tanto para enlaçar na maravilhosa graça que a vida pode ter, se pudermos escolher vivê-la no que de melhor pode ter.
Não são discussões fáceis, estas da vida e morte. Do que pode levar uma pessoa a simplesmente escolher apagar-se. Mas será que alguém consegue imaginar o que é não poder mexer-se? Não poder folhear um livro, dar um passeio, ter sexo, tocar, sentir, experimentar? Nunca? Em tempo algum? É que nessas alturas a faculdade de ver as cores, ouvir música e outras vozes não parece grande consolo, e a solidão deve ser de enlouquecer...



Comentar post

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge