Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008
Is it me?

Depois de uma grande volta pela blogosfera, reparo que o tema quente dos blogs grelames é «o amor para a vida». Não sei se é porque o tempo esfriou e os pés já pedem um aconchego na cama, ou porque sou uma cabra fria sem sentimentos, apesar de cada vez mais boa, o certo é que o mundo feminino se juntou para perorar sobre o amor, ou a falta dele, e o homem e a relação ideais, ou a falta delas.

 

Ora, depois de muito elocubrar sozinha, virando-me para as paredes forradas a charme deste meu Palácio cada vez mais alvo e belo, reparo que o faço. Sozinha. E pergunto-me que raio é isto do amor para sempre. Isto quer dizer o quê? Que o amor é uma espécie de vacina ao contrário, sem fim à vista, que temos a sorte de apanhar e a vida se tornar num caleidoscópio de cores e felicidade para toda a eternidade? Ou que contemos o amor e a pessoa que amamos numa garrafa e a guardamos longe de olhares gulosos e bêbados?

 

Palavra de honra, não consigo perceber. Evolucionista e optimista que sou, não cabe nesta minha cabeça altiva e linda que o que queremos hoje vai ser exactamente igual ao de amanhã. Logo, se hoje estamos com alguém de quem gostamos porque sim, porque queremos fazer coisinhas com ela, se amanhã já queremos outras coisinhas e a pessoa, por acaso, nem por isso, o que fazemos com ela? Vai cada um à sua vidinha e pronto, não é assim?

 

Ora, se já todos sabemos isto, se cada um de nós percebe o carácter efémero de tudo o que nos rodeia, a começar pelas nossas próprias vontades, porque caralho é que continuamos à procura de coisas para vida? Porque é que as relações não assentam nesta base de «venha o que vier hoje, que amanhã logo se vê?» Será que sou eu que ando a foder gajos há demasiado tempo e já me desliguei da realidade amorosa, ou as relações que para aí pululam são demasiado apressadinhas?

 

 



publicado por sissi às 09:15 | link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De Rui Villas a 13 de Novembro de 2008 às 10:33
Tanto para falar sobre este assunto....

O amor perfeito, dito por quem pouco percebe como eu, é aquele que na cegueira da paixão, cedemos o suficiente para nos adaptarmos à outra pessoa. Temos logo aqui o problema de perfeito + cedemos na mesma frase, o que torna logo o perfeito um imperfeito. Se fosse perfeito não era necessário cedências...

Então se calhar não existe esse tal amor perfeito...

Há de facto pessoas que passam na nossa vida e nos marcam mais profundamente. Não é apenas a queca que nos acompanhou durante um par de anos. Aliás, por sorte ou azar, as melhores quecas que mandei foram com pessoas que na realidade nunca amei e diga-se de passagem que, se a relação assumida durou tanto tempo, é porque a queca resolvia alguns problemas de entendimento. Acho que não serei o único a conhecer pessoas com as quais temos sexo fantástico apesar de nem gostarmos de estar com a pessoa.

Amor? O amor é fodido e já escreveram sobre isso


De Pati a 13 de Novembro de 2008 às 11:32
Yes, it is you.

Provavelmente vc é que está foder gajos há muito tempo e se esqueceu de que de vez em quando é agradável acordar com alguém do lado não porque fez sexo com ele, mas porque dividem uma cama e uma vida.

E quem disse que o amor também tem que ser pra sempre? Também pode-se viver amando e "amanhã veremos". Por mais que se amem, duas pessoas não vão ter tanto assim em comum pra sempre. E quando acaba, acabou. Pronto, pode cada um seguir a sua vidinha. Mas se foi bom enquanto durou, então valeu a pena.

Bah, foda-se, hoje estou romântica. Devem ser os hormônios.


De Eduardo a 13 de Novembro de 2008 às 11:32
Ora, simples.

O primeiro amor, vá dois. São de total entrega e consequentemente optimos e marcantes e blablabla dignos de um livro de romance ou/e quiça uma comedia romantica. Não ligamos aos defeitos e adoramos tudo.

Mas se esses não funcionam e passamos a um terceiro ou quarto amor, a entrega nunca será a mesma porque se não funcionou com entrega as primeiras vezes não funcionará nas seguintes tão pouco. Logo inconscientemente a estrategia mudou..

E assim, sem a entrega anterior andam todos a procura do Amorzinho bonito e querido como a primeira vez! Abram os olhos primeira vez há só uma! Mas as outras vezes não têm de ser más...

Tenho dito.


De Rui Zasso a 13 de Novembro de 2008 às 13:13
Não vale a pena teorizar Princesa. Acontece ou não acontece. E não acontece só a quem anda à procura, nem deixa de acontecer a quem se acha imune a essas coisas.
Só lhe posso garantir que, quando acordamos um dia e pensamos "eu acho que quero tê-la ao meu lado para sempre"... ui ui, até sinto uma arritmia das boas só de me lembrar disso!!
Os orgasmos são óptimos, mas uma sensação dessas aquece a alma, não apenas as partes baixas.
VALE A PENA!! ;)

beijo


De Gi a 13 de Novembro de 2008 às 14:00
sim minha rainha...és tu q andas a foder gajos há demasiado tempo...


De soledad a 13 de Novembro de 2008 às 14:44
Posso dizer-lhe, Princesa, que só fui para a cama com o meu marido( há 3 anos)É verdade, ele é o homem da minha vida, não só porque me proporciona orgasmos, e bons, mas porque atura todas as minhas pancas e manias, porque é meu amigo...enfim. Mas não penso que é para sempre, ou melhor, é para sempre, enquanto o sempre durar...É verdade que devo andar a perder muita queca das boas, e tenho noção que no meio das minhas amigas eu sou uma espécie de ave rara,quem sabe um dia me farto da monogamia?! Uma coisa eu tenho a certeza, mesmo que eu venha a conhecer 1000 homens, ele será sempre " the number one".


De ZOT a 13 de Novembro de 2008 às 15:13
Como diz o povo; cada um é como cada qual!

Tal como aos Quinta do Bill, a vida de marinheiro chega a um ponto que começa a dar cabo de nos. Da muito menos trabalho e stress ficar com a tal, ou aquela que é uma versão aproximada da tal que nunca encontramos, e que seria ali que finalmente paravamos.

Ha de facto possibilidades de construir uma relação de cumplicidade, amor e/ou amizade, suficiente para sobreviver ao instinto predador ou à tentação da carne. Temos é que decidir muito bem o que realmente queremos fazer das nossas vidas, e se estamos preparados.

Vender o barco e comprar uma casa? ou comprar um barco melhor? sera que um não se vai arrepender de ter perdido definitivamente uma casa excelente, ao ver que aquele barco é exigente demais para a sua condição fisica? Corre-se o risco de ter que atracar definitivamente e passar o resto da vida so, folheando albuns de fotografias de momentos felizes enquanto passa os dedos nas cicatrizes.

No entanto, também acho muito bem que se aproveite o presente da melhor maneira, porque isto é bom e não dura para sempre.

Cumps


De Bombay Tónico a 13 de Novembro de 2008 às 23:48
Amigo, todo esse fluir prosaico deve-o ter confundido... Não são os Quinta do Bill , mas sim os Sitiados.
Cumps


De Alice a 13 de Novembro de 2008 às 15:38
Todas as relações assentam na base do "venha o que vier hoje, que amanhã logo se vê". Quem vê muitas telenovelas se calhar não se lembra disto e insiste em viver na ficção.

O que é certo é que enquanto se ama, a felicidade tem outro gosto.

O sexo é outro assunto completamente diferente...


De Alice a 14 de Novembro de 2008 às 08:40
PS - Não é o amor que nos faz querer conter a pessoa que amamos numa garrafa... é a nossa própria insegurança que nos faz temer que o outro descubra que há coisas melhores por aí. Em teoria o amor é altruísta...


De Maria Inês a 13 de Novembro de 2008 às 16:10
tenho para mim que essa merdinha que nos enfiam na cabeça desde pequeninos de amor romântico e para sempre, é isso mesmo, uma merdinha que alguém se lembrou de inventar. daquelas merdinhas em que acreditamos até ao dia em que percebemos que... surprise, não existe. (as in amor romântico para a vida). Agradecida a quem inventou tal coisa.


De provoCão a 13 de Novembro de 2008 às 16:28
também me faz confusão essa forma de pensar lunática e crédula. e mais ainda a coisa de se esperar que caia do céu a "alma-gémea", o "amor perfeito", o "príncipe encantado".

se nós não tivermos os olhos abertos, se não investirmos na nossa vida amorosa, se não nos empenharmos nas relações que queremos manter, se nos fecharmos no quarto a sonhar com o amor para a vida que a vida nos vai plantar no quotidiano... bem, as hipóteses de sermos felizes diminuem bastante.

talvez haja algum aconchego (doentio) em continuar a acreditar nessa coisa perfeita e que nos chega do exterior, como presente do cosmos. é que assim, sempre que uma relação acaba (porque correu mal ou porque não fazia sentido continuar) continua-se a acreditar que acabou, que não resultou, porque ainda não apareceu "a pessoa certa".

temos é que sair do conforto e do romantismo imaturo para a realidade. e fazermo-nos à vida, armados de sorriso e determinação. a não ser que se prefira a perspectiva de ficar no sofá a ver telenovelas ou futebol, à espera que o amor nos bata à porta.


De BT a 14 de Novembro de 2008 às 00:21
Enquanto não encontramos a pessoa certa vamo-nos divertindo com as erradas,right???!!!:P


De elise a 13 de Novembro de 2008 às 16:54
Já passei por todas essas fases:
Quando me casei, disse (chocando os convidados) que a união só duraria enquanto desse. O noivo apenas sorriu :-)
Quando me separei, achei que ia até já estava madurinha, ao ponto de confiar e acreditar num amor futuro, que durasse até ao fim dos nossos dias.
E foi a minha pior e mais infeliz ideia,(nao merecia este mal a que me propus) porque encontrei um, que o assumi e vivi como tal..
E isso leva-nos a que não resulte, algo (ou tudo) e que se falhe (menos o sexo), e voltasse á estaca zero, com as vertebras mais doridas, e o estomago ainda golpeado a soco.
Agora (e o ponto de retrocesso?), já fico naquela, o meu passado, e ex-futuro marido... mantém comigo uma amizade e uma cumplicidade unicas, que se têm mantido, e que dão que pensar!
Já não é o amor, que me preocupa, mas aquela pessoa que nos vai arrancar da (por vezes má) companhia que somos para nós mesmos!

Beijinhos, Princesa
(confusa já eu estou lol, desculpa se agravei)


Comentar post

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge