Segunda-feira, 9 de Julho de 2007
Swallow
Interessa-me pouco saber quem engole ou deixa de engolir. Até porque parto do princípio que impera o livre arbítrio. Gosta-se, engole-se, não se gosta, não se engole. Tout court. Verdadeiramente interessante é saber porque razão há mulheres que não engolem, gostando, e homens que valorizam o acto de engolir como se dele dependesse o êxito da performance. Tipo selo branco...

Depois de aturado interrogatório aos homens da minha vida, fiquei a saber que há muitas mulheres que não fazem broches. Nem vale a pena falar das que o fazem mal, porque há sempre homens que vão gostar do desempenho delas e não vamos agora estar a discutir o sexo dos anjos. Simplesmente, há mulheres que não têm iniciativa de o fazer nem reagem perante a sugestão masculina. Acredito e compreendo que, mais uma vez, haja quem não goste, preferindo outras práticas igualente prazerosas. Dedico estas linhas a quem, gostando, não o faz por medo da opinião alheia, neste caso do macho. O mesmo se aplica ao engolir. Actos diferentes, parâmetros semelhantes. Ora, se gostam da coisa e vão até ao fim, não engolem porque...enfim...«valha-me Deus que eu sou das sérias...?» Adiante.

Outro aspecto curioso do engolir, é ver o ar agradecido do macho quando percebe que a mulher sugou até à ultima gota a sua bomba calórica de proteínas. Invariavelmente acontece. Há os que acham piada, valorizam e passam à frente e os que ainda durante o cigarro pós-coital, continuam a falar no assunto: «bolas...tu engoliste...», com um ar meio aparvalhado, como se lhe lhe tivéssemos passado um atestado de competência por ter engolido.

Uma e outra situações, suponho, virão da mesma fonte. A que coloca a moral na cama, lugar onde só o corpo e a imaginação devem vingar. É uma espécie de sexo a quatro. Dois e a sua respectiva. Uma mulher que não mama nem engole com medo de despoletar uma reacção no outro dificilmente se sentirá satisfeita no plano sexual. Da mesma forma, um homem que sobrevaloriza um acto que é, só e apenas, de puro prazer, corre o risco de ver cenários em palcos desertos.

Enfim. Andamos todos desencontrados. É o que é.

publicado por sissi às 11:19 | link do post | adicionar aos favoritos

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

 
livro

livro
Sex Bomb - O terceiro livro Download gratuito

livro

livro

livro Correio da Princesa
jukebox
Jazzanova - No Use

videos



arquivos

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

subscrever rss

badge